Rotaer Eletrônico

Entre em contato com o Rotor Central.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Helibras assina contrato com as Forças Armadas para suprimento de peças e serviços

helibras_logo_new

Medida vai gerar muita economia com estoques e peças

Manutenção dos EC725 vai permitir avanços no domínio tecnológico

 

Um dos contratos mais importantes para o programa de fabricação dos helicópteros EC725 no Brasil foi assinado entre a Helibras e as Forças Armadas nesta quarta-feira (21/12). Ele prevê que a empresa brasileira faça todo o gerenciamento dos estoques de peças e forneça toda a assistência técnica necessária com deslocamento de equipes em qualquer das bases das três Forças espalhadas pelo país. Isto envolve as inspeções, as revisões e os reparos dos helicópteros.

Com projeção de até R$ 150 milhões e duração de 5 anos, este contrato vai garantir a permanência em atividade de todas as aeronaves EC725 entregues neste período, pois a Helibras será a responsável pela logística de fornecimento das peças e serviços que forem necessários nas atividades de manutenção – esta já prevista no contrato de fabricação.

“As Forças Armadas terão uma enorme economia com a compra de peças e formação de estoques estratégicos, pois, como eles serão feitos pela Helibras, não será necessário que cada Força tenha sua própria estrutura de suprimentos”, explica Marco Wagner, gerente comercial para o programa EC725 da Helibras.

Outro benefício será a oferta de assistência técnica para as Forças em qualquer uma das bases onde os helicópteros estiverem em operação, ou mesmo em campo, caso seja necessária a presença dos profissionais da Helibras para orientar as intervenções técnicas e mecânicas.

“Este contrato vai permitir, além dos benefícios econômicos e logísticos, maior domínio tecnológico tanto por parte das Forças Armadas quanto da Helibras, o qual será importante para o desenvolvimento de um helicóptero brasileiro, previsto para ser uma realidade dentro de 10 anos”, completa Eduardo Marson Ferreira, presidente da Helibras.

Fonte: http://www.helibras.com.br

Helicóptero americano vai monitorar territórios com câmera de 1.8 gigapixels

O exército americano prepara uma série de drones (veículos aéreos não-tripulados) com câmeras de 1.8 gigapixels que produzem imagens coloridas. O equipamento, que o exército descreve como “o maior sensor de vídeo já usado para conduzir missões táticas”, é capaz de rastrear pessoas e veículos a até 20 mil pés de altitude, o equivalente a 6,5Km.
Chamado de A160 Hummingbird, o veículo também se diferencia dos demais já utilizados pela forma com a qual ele se locomove no espaço aéreo. Ao invés de planar como um avião, o drone usa hélices, tendo um funcionamento semelhante ao de um helicóptero.

Conforme o exército, o novo drone representa um salto tecnológico na categoria, uma vez que os veículos atuais capazes de processar imagens em alta resolução estão limitados a áreas muito pequenas. Já o A160 Hummingbird consegue monitorar territórios com quase 25Km².
Os Hummingbirds, que podem voar por 12 horas sem reabastecimento e podem rastrear até 65 inimigos simultaneamente, estão previstos para maio ou junho de 2012. Os primeiros testes começarão no início do ano, na região do Arizona.

Fonte: http://adrenaline.uol.com.br/tecnologia/noticias

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Exército apresenta 1º simulador de voo para helicópteros feito no Brasil

Simulador ajuda reduzir custos de treinamento, que antes eram feitos fora do país. Projeto custou R$ 3 milhões e vai treinar 250 pilotos do Exército.

O Exército apresentou o primeiro simulador de voo para helicópteros totalmente desenvolvido no Brasil. O simulador de voo de helicópteros, batizado de 'shefe', foi todo desenvolvido no Brasil e parece uma esfera de quatro metros de diâmetro.
O realismo atinge o nível de qualidade dos melhores simuladores disponíveis no mundo. As imagens reproduzem a topografia de várias regiões brasileiras.
O capitão Fantonelli explica que os instrumentos dão aos pilotos a sensação de comandar um helicóptero. "A sensação é de que está voando mesmo."
O projeto custou R$ 3 milhões e levou quatro anos para ficar pronto. Todos os comandos são processados por um programa de computador, que controla as imagens e os equipamentos chamados de atuadores.

A esfera, que pesa uma tonelada, parece solta no ar. Principalmente com um repórter no comando. "Eu nunca mais vou reclamar do piloto do helicóptero da Globo que faz balançar o Globocop”, fala César Menezes.
Num treinamento de verdade, os sacolejos são de propósito. "Quando ele olha para um equipamento do painel, numa determinada condição de voo, ele vai identificar o comportamento do motor da aeronave exatamente como é o comportamento na realidade”, explica o gerente do projeto, major Marcelo Nunez.

Os treinamentos custavam para o exército US$ 1.700 mil por hora de voo, sem contar viagem e hospedagem, já que o simulador usado até agora, fica na França. Um equipamento vai treinar todos os 250 pilotos da aviação do Exército Brasileiro.

Simulador permite preparar as tripulações para situações de emergência, que não podem ser treinadas no ar porque o risco seria muito grande.

São eles que resgatam vítimas de inundações e deslizamentos de terra e dão apoio a operações como as que foram feitas em favelas do Rio de Janeiro.
“Aviação é experiência, hora de voo. É imprescindível que os pilotos estejam voando mais e com o simulador vamos conseguir fazer isso”, avisa o comandante de aviação do Exército, general Eduardo Diniz.

Helicóptero de R$ 6 milhões vigiará fronteiras

Aeronave já está no Estado e pilotos estão se qualificando
Foto: Divulgação/Helibras

A segurança pública de Mato Grosso do Sul recebeu um helicóptero do Governo Federal para atuar no combate a crimes, especialmente na região de fronteira do Estado com o Paraguai e a Bolívia.

Segundo o secretário de Segurança Pública, Wantuir Jacini, o helicóptero da Helibras modelo B3 é avaliado em R$ 6.640 milhões e já está no Estado, porém só poderá ser usado efetivamente quando os pilotos estiverem capacitados para usar a aeronave.

O helicóptero foi adquirido com recursos do governo federal e contrapartida do Estado. A aeronave veio voando para o Estado, com um piloto capacitado e, se houver necessidade, já pode ser utilizado.

Jacini ainda explicou que três pilotos já estão se capacitando com cursos específicos e para pilotar o helicóptero é preciso ter 500 horas de vôo em aeronave similar.


Jacini explica que uso do helicóptero está vinculado à estratégia nacional de proteção às  fronteiras
Foto: Deurico/Capital News

Fonte: Priscilla Peres e Valdelice Bonifácio - Capital News (www.capitalnews.com.br)

Veja decoração de Natal em SP a bordo de helicóptero

A maior cidade do país está toda iluminada para o Natal. E se a decoração encanta quem vê do chão, imagine a bordo de um helicóptero.

fonte: http://videos.band.com.br

domingo, 11 de dezembro de 2011

Parentes de vítimas de queda de helicóptero em Trancoso contam por que entraram na Justiça

O acidente aconteceu há seis meses. Entre as vítimas, estava a namorada do filho do governador Sérgio Cabral

BRUNO ASTUTO. COM ACYR MÉRA JÚNIOR

REVOLTA Hélio Da esquerda para a direita, Hélio e Márcia Noleto, José Luca Magalhães Lins, Garna Kfuri, Iolanda e Maximiliano. Eles postaram um vídeo na internet pedindo mais rigor à Anac (Foto: Miguel Sá)

REVOLTA
Da esquerda para a direita, Hélio e Márcia Noleto, José Luca Magalhães Lins, Garna Kfuri, Iolanda e Maximiliano. Eles postaram um vídeo na internet pedindo mais rigor à Anac (Foto: Miguel Sá)

No próximo dia 17, serão lembrados os seis meses do trágico acidente de helicóptero que ia do aeroporto de Porto Seguro para o resort Jacumã, em Trancoso, na Bahia. As vítimas fatais foram Mariana Noleto, namorada do filho do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, as irmãs Jordana e Fernanda Kfuri com os respectivos filhos, Luca Magalhães Lins, de 3 anos, e Gabriel Gouveia, de 2, a babá de Luca, Norma Assunção, e o piloto, o empresário Marcelo Mattoso de Almeida, que estava com a habilitação vencida havia seis anos. Os parentes das vítimas entraram na semana passada com ações indenizatórias na Justiça do Rio de danos morais e materiais contra o espólio de Almeida, as empresas First Class Group, dona da aeronave, e a Blue Reef Participações Imobiliárias, que têm entre os sócios a viúva e os filhos do empresário. E contra o resort, por ter permitido o pouso com um piloto em situação irregular.

ÉPOCA reuniu pela primeira vez familiares das vítimas, como o empresário José Luca Magalhães Lins, pai de Luca, Garna Kfuri, irmã de Jordana e Fernanda, Márcia e Hélio Noleto, pais de Mariana, e Maximiliano e Iolanda, filhos da babá Norma. O músico Bruno Gouveia, vocalista da banda Biquíni Cavadão e pai de Gabriel, não participou da entrevista, mas deu seu depoimento. O grupo postou um vídeo em redes sociais pedindo maior rigor à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Almeida fornecera para a torre de controle de Porto Seguro a matrícula de outro piloto, Felipe Calvino Gomes, que estava com a habilitação em dia e se disse surpreso com o uso de seu nome.

Apurações de equipes das empresas Eurocopter, fabricante do helicóptero, Helibras, sua subsidiária brasileira, Turbomeca, fabricante da turbina, e da oficina Ultra Rev, que fazia a manutenção da aeronave no Rio, concluíram que o helicóptero estava em estado técnico perfeito, com as revisões em dia. “O problema era a prática do Almeida de dar a matrícula de outra pessoa para voar sem condição, fora da legalidade. A falha foi 100% humana”, afirma Magalhães Lins.

“Como qualquer pessoa pode decolar e pousar em aeroportos como o de Vitória, onde o Almeida fez uma parada para abastecer, e o de Porto Seguro, que recebem tantos voos comerciais, dando a matrícula de outro piloto? Não existe fiscalização, é uma baderna”, afirma Hélio Noleto, pai de Mariana e funcionário do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro. Sua mulher, Márcia, encontrou-se em agosto com Marcelo Guaranys, presidente da Anac, para cobrar providências. “Minha causa é que nenhuma outra pessoa morra por negligência das autoridades. Que pelo menos um oficial do aeroporto peça o documento de identificação com foto dos pilotos para liberar a decolagem. Ele me prometeu tomar uma atitude, mas não retornou mais minhas ligações. Enlouqueci nestes últimos meses, e as autoridades não me dão notícias. Nem uma posição. Tenho o direito de saber o que aconteceu”, diz. O casal, assim como o outro filho, João Pedro, de 14 anos, tatuou no braço o nome da filha. Márcia pretende criar uma ONG para mães que perderam seus filhos de maneira trágica.

Procurada por ÉPOCA, a assessoria da Anac pediu alguns dias para responder. No dia 6 de dezembro, publicou em seu site um comunicado com medidas de “vigilância continuada dos planos de voo no Brasil”. Pela primeira vez, confirmou irregularidades tanto dos pilotos Marcelo Almeida e Felipe Calvino, quanto da First Class. “O piloto Marcelo Mattoso de Almeida, que operava o helicóptero e faleceu no acidente, estava com a habilitação vencida desde 2005 e também não possuía Certificado de Capacidade Física válido. O piloto Felipe Calvino Gomes também foi penalizado com dois autos de infração a partir da constatação de duas omissões em registros de voos (...) no dia do acidente”, diz a Anac.

O episódio teve repercussão política pela presença do governador do Rio. O grupo viajava a Trancoso para a festa de aniversário do empresário Fernando Cavendish, marido de Jordana Kfuri, que tem contratos com o Estado do Rio por meio de sua construtora, a Delta, e não se juntou aos demais parentes no processo nem na campanha. “Sérgio poderia ter entrado no helicóptero, como seu filho. Mas decidiram embarcar primeiro as mulheres e as crianças”, diz Magalhães Lins. “Ele foi solidário e estava desesperado. Mariana e Marco Antonio, filho dele, namoravam havia oito anos. Ela era como se fosse da família”, diz Márcia.

“Como esse piloto que deu sua matrícula para o Marcelo Almeida não sofreu nenhum tipo de represália ou não teve sua habilitação suspensa pela Anac até que tudo seja apurado?”, diz Magalhães Lins. Procurados por ÉPOCA, Calvino e o advogado do espólio de Marcelo Almeida não foram encontrados. Com a indenização, Magalhães Lins, dono do time de futebol Boavista, pretende criar uma ONG para ensinar esportes a crianças carentes. “Tive um tumor no cérebro há um ano e meio e foi pelo meu filho que lutei para viver. Agora não posso celebrar a vida com ele”, diz. (...)

Fonte: http://revistaepoca.globo.com

Helicóptero Aguia PM SP, auxilia na Caçada à estuprador no interior de São Paulo

Perseguição no bairro Cecap envolve aeronave Águia da PM, mas mesmo assim o suspeito conseguiu fugiuREDAÇÃO

*Atualizado às 22h00

A partir de uma denúncia anônima, a PM (Polícia Militar) realizou na manhã de sábado (10) uma operação de captura do suspeito de estuprar e matar duas mulheres em Jundiaí. Elias Alves da Silva, 22 anos, conhecido como o Maníaco da Aranha, por ter a tatuagem de um aracnídeo na mão direita, teria sido visto no Cecap, perto do terminal de ônibus.
Leia também:
Duas jovens de 18 anos são estupradas em Jundiaí

Diversas viaturas – e inclusive o helicóptero Águia da PM – foram mobilizadas para a operação, mas o suspeito conseguiu driblar os policiais e fugiu. Durante todo o dia, entretanto, a polícia continuou buscando pistas e intensificou as investigações para prender o estuprador.

Assaltos

Na manhã de sábado, dois assaltos a mão armada ocorreram simultaneamente em regiões distintas de Jundiaí. Por volta das 7h30, uma jovem de 16 anos foi abordada por um indivíduo enquanto caminhava na avenida 9 de Julho.

Ele a ameaçou e exigiu que entregasse seus pertences pessoais, fugindo com um celular Nokia e um cartão de transporte público. Já na rua Palermo, no Jardim Messina, um garoto de 19 anos foi a vítima de um indivíduo que fugiu com R$ 160 em dinheiro. Na noite de sexta-feira, por volta das 23h30, o mesmo tipo de abordagem ocorreu na rua Cica.

Uma mulher de 39 anos caminhava pelo local quando um veículo preto parou, um adolescente desceu e arrancou a bolsa da vítima.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Fãs gastam até R$ 10 mil para ir a Interlagos de helicóptero

Ao contrário da maioria dos torcedores, que buscam meios de transportes mais baratos, há quem prefira o glamour e a comodidade

As formas mais comuns para ir ao Autódromo de Interlagos assistir ao Grande Prêmio do Brasil são de trem, de carro e de táxi. De trem, o fã pode gastar apenas R$2,90. De carro, além da gasolina, há um gasto médio de R$ 50 com estacionamento. Com táxi, partindo do centro de São Paulo, a corrida supera R$ 100. Mas há outra forma de chegar ao circuito, muito mais cara e glamorosa: os helicópteros.
Leia também: Luiz Razia explica como funciona um volante de F1. Veja

E a procura por este meio de transporte não é pequena no fim de semana do GP do Brasil. O caminho pelos ares custa até R$ 10.050 por pessoa. O técnico de segurança de trabalho Sérgio Alcebiades, 50, vai gastar o dobro deste valor. Isso porque ele vai utilizar o serviço para levar a namorada ao GP do Brasil nos treinos de sexta-feira, de sábado e no domingo, dia da corrida.

Foto: Divulgação

Helicópteros usados para levar torcedores ao Autódromo de Interlagos

“É por luxo e por comodidade. De helicóptero eu saio do hotel, não pego trânsito, não tenho problema de estacionamento e desço dentro do autódromo. É bem mais simples”, explica Alcebíades, que utiliza o serviço pelo quarto ano consecutivo.
Siga o iG Automobilismo no Twitter
Assim como o técnico de segurança, outros torcedores devem utilizar o meio de transporte. De acordo com a Força Aérea Brasileira, responsável pela coordenação das operações, são esperados cerca de 60 helicópteros trabalhando diretamente com o evento. Para o dia da corrida a previsão é de 380 pousos e decolagens.
Segurança – De acordo com a FAB, todos os procedimentos de segurança de controle de tráfego aéreo praticados pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) são executados segundo legislações internacionais. Durante o evento, será instalada uma Torre de Controle no autódromo para atuar no controle do tráfego de helicópteros em um raio de 4 km ao redor de Interlagos. Os pousos acontecem no Kartódromo.

Fonte: http://esporte.ig.com.br

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Notícias Go Air - SERIPA IV DISCUTE SEGURANÇA DE VOO POR HELICÓPTERO (22/11)

SEGURANÇA DE VOO NA AVIAÇÃO POR HELICÓPTERO

Go Air - O novo clube do ar é seu

Primeiro Seminário sobre helicópteros organizado pelo SERIPA IV visa disseminar informação com vistas na prevenção de acidentes

O Quarto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos – SERIPA IV realiza no próximo dia 22 de novembro (terça- feira), na Zona Norte de São Paulo, o seu 1º Seminário Asas Rotativas. Voltado aos pilotos de helicóptero, mecânicos, instrutores, escolas de pilotagem, proprietários de aeronaves e empresas relacionadas ao setor, o evento visa contribuir para a segurança de voo no espaço aéreo nacional e tem o apoio da Associação Brasileira dos Pilotos de Helicóptero (Abraphe) e de outros órgãos públicos e privados do segmento de asas rotativas, empenhados no desenvolvimento seguro da aviação por helicóptero no País.

De acordo com o SERIPA IV, o crescimento de 60% na frota de helicópteros do Brasil nos últimos 10 anos - são 1.495 aeronaves registradas até 2010, sendo a maior parte delas (592) em São Paulo – demanda por iniciativas que disseminem informação, promovam a discussão sobre as normas e regulamentações vigentes, bem como o cumprimento delas no sentido de reduzir a probabilidade de acidentes.

A ABRAPHE, que já tem experiência na realização de eventos sobre Segurança de Voo, o último deles, o 7º Seminário Internacional sobre Segurança de Voo, reuniu mais de 600 pessoas em três dias de evento, apoia a iniciativa. “Qualquer ação em prol da segurança de voo é bem vinda”, destaca o presidente da entidade, cmte Rodrigo Duarte, que já trabalha na realização do 8ª Seminário Internacional de Segurança de Voo da Abraphe, previsto para 2012.

Entre os temas que serão abordados durante o 1º Seminário do SERIPA IV sobre Asas Rotativas estão estudos de acidentes aeronáuticos envolvendo helicópteros, meteorologia, tráfego aéreo e emergências em voo. A programação completa está disponível no http://www.flightsafe.com.br/inscricoes/Inscricoes.aspx.

Apoio e Patrocinadores

O 1ª Seminário Asas Rotativas organizado pelo SERIPA IV tem o patrocínio da Agusta Westland, Go Air – Escola de Aviação Civil, JP Martins Aviação Ltda, Helibras, Helicentro, Rolls Royce, Turbomeca e Unisant’Anna e o apoio da Abraphe, Ubatuca Conventions& Visitors Bureau (UV&VB), Infraero, Sistema de Gerenciamento da Segurança Operacional (SGSO) e FlightSafe

SEGURANÇA DE VOO – 1º SEMINÁRIO ASAS ROTATIVAS DO SERIPA IV

Data - 22 de Novembro, das 8 às 19 horas

Local – Centro Universitário Sant’Anna (UniSant’anna)

Av. Voluntários da Pátria, 257, Zona Norte, Santana

Inscrições abertas. Gratuito.

Informações e inscrições - http://www.flightsafe.com.br/inscricoes/Inscricoes.aspx

Vagas Limitadas.at

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA: Lage Comunicações

(11) 2709 8060

Carolina Denardi – (11) 99696761

carolina.lage@lagecomunicacoes.com.br

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

EUA apresentam helicóptero não tripulado

O aparelho, batizado de MQ-8B "Fire Scout", já está a serviço da Marinha americana

O MQ-8B já está a serviço da Marinha / Divulgação

Depois do Predator e do Reaper, um novo aparelho acaba de entrar para o inventário de armas americanas: um helicóptero sem piloto equipado com foguetes que decolará de navios, anunciou a empresa Northrop Grumman.

O aparelho, batizado de MQ-8B "Fire Scout", já está a serviço da Marinha americana, mas no momento está relegado a tarefas de vigilância e reconhecimento.

A Northrop Grumman obteve em setembro um contrato de 17 milhões de dólares do Pentágono para elaborar o aparelho, que pode transportar oito foguetes de 70 mm.

A versão armada do "Fire Scout" estará disponível até março de 2013, anunciou Warren Comer, porta-voz da Northrop Grumman.

Fonte: http://www.band.com.br/noticias

Eurocopter promove seminário sobre helicópteros leves no Brasil

Inovações e apoio ao cliente são os focos do debate que acontece dias 10 e 11 de novembro (quinta e sexta-feira), no Rio de Janeiro.

A Eurocopter, juntamente com a subsidiária brasileira Helibras, única empresa fabricante de helicópteros no país, promove o seminário sobre helicópteros leves nos dias 10 e 11 de novembro (quinta e sexta-feira), no Rio de Janeiro. Focado nas inovações dos produtos mono e biturbinas, o evento é dirigido aos clientes latino-americanos dos mercados executivo, governamental e militar.

Um dos objetivos do seminário é entender as necessidades dos clientes e apoiá-los na operação de seus helicópteros. Durante os dois dias serão realizados workshops e palestras voltados para questões técnicas, treinamento, manutenção e segurança de vôo, dentre outros assuntos que envolvem esse mercado. Os participantes também poderão acompanhar voos de demonstração em modelos biturbinas (EC135 e EC145), que vêm apresentando grande aumento de demanda no Brasil, principalmente no segmento Governamental, que atualmente possui uma frota de 86% de Esquilos.

A frota da Helibras em operação no Brasil é composta em 75% por aeronaves leves, sendo 60% da família Esquilo. O AS350 Esquilo é o modelo de helicóptero leve mais popular no país devido ao seu desempenho e aplicação em qualquer tipo de missão. Único fabricado no Brasil, o Esquilo pode ser adquirido através de financiamento pelo BNDES.

Além dessas vantagens, os clientes contam com total apoio nos serviços de revisão e manutenção, no fornecimento de peças, assistência técnica e treinamento para mecânicos, pilotos e técnicos.

Perfil-A Helibras é a única fabricante brasileira de helicópteros. A empresa é associada ao Grupo Eurocopter, maior fornecedor mundial do setor, controlado pela EADS - European Aeronautic Defence and Space Company. Com participação superior a 50% na frota brasileira de helicópteros a turbina, a Helibras está em atividade no Brasil desde 1978 e mantém instalações em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Sua fábrica, que emprega mais de 560 profissionais e tem capacidade de produção de 36 aeronaves por ano, está localizada na cidade de Itajubá (MG), onde são produzidos diversos modelos que atendem aos segmentos civil, governamental e militar. Desde sua fundação, a Helibras já entregou mais de 550 helicópteros no Brasil, sendo 70% do modelo Esquilo. Em 2010, a empresa teve um faturamento de R$ 395 milhões. [www.helibras.com.br].

Eurocopter e a EADS- Fundado em 1992, o grupo franco-alemão-espanhol Eurocopter é uma divisão do Grupo EADS e emprega aproximadamente 17.500 pessoas. Em 2010, a Eurocopter confirmou sua posição de líder como fabricante mundial de helicópteros no mercado civil e governamental com um volume de negócios de 4,8 bilhões de euros, encomendas de 346 novos helicópteros e uma quota de mercado de 49% nos setores civil e governamental. No geral, os helicópteros do Grupo são responsáveis por 33% da frota total mundial civil e governamental. A forte presença da Eurocopter no mundo inteiro é garantida por suas 30 filiais e participações nos cinco continentes, juntamente com uma densa rede de distribuidores, agentes certificados e centros de manutenção. Há atualmente 11.200 helicópteros Eurocopter em serviço e 2.900 clientes em 147 países. A Eurocopter oferece a maior gama de helicópteros civis e militares no mundo.

O Grupo EADS é líder mundial nos segmentos aeroespacial, de defesa e serviços relacionados. Em 2010, faturou € 45,8 bilhões e empregou cerca de 121 mil pessoas. Além da Eurocopter, o Grupo inclui a Airbus, a Airbus Military, a Astrium e a Cassidian. No Brasil, além da Helibras, a EADS está presente através da EADS Brasil, da EADS Secure Networks Brasil, da Spot Image Brasil, do escritório de representação da Airbus Military e da Equatorial Sistemas, da qual a Astrium é acionista.

Fonte: http://www.revistafator.com.br

Helicóptero elétrico levanta voo com várias hélices; veja vídeo

Engenheiros alemães da empresa e-volo conseguiram um feito interessante: fizeram uma espécie de helicóptero pessoal levantar voo a partir de um conjunto de múltiplas hélices. À primeira vista, a máquina não é bonita e nem mesmo muito segura. Mas a ideia é interessante.

O multicóptero é elétrico e sua sustentação em voo vem do giro de 16 rotores dispostos ao redor do piloto/passageiro. O aparelho e leve e não sobe a grandes altitudes, onde seria facilmente conduzido e desestabilizado pelos ventos.

O piloto usa um tipo joystick para comandar o multicóptero no mesmo princípio dos comandos de direção dos helicópteros. O controle da velocidade de rotação dos motores é feito por computador, que interpreta a necessidade de mais ou menos força para manter o equilíbrio e o voo do aparelho. Ao condutor resta decidir o rumo por onde o voo meio incerto do multicóptero passará.

Apesar de, à primeira vista, o voo do multicóptero parecer tudo, menos seguro, há alguns cuidados interessantes para preservar a integridade do piloto. Por exemplo, a máquina é capaz de se manter no ar e pousar com segurança mesmo com quatro de seus motores parados. E por conta da ausência de um cockpit, o piloto pode facilmente pular em caso de algum risco. Para um passeio de multicóptero, portanto, é bom levar um paraquedas de qualidade.

Embora a “ejeção” seja algo bastante prático, a sensação um tanto desagradável de estar rodeado por inúmeras lâminas girando ao seu redor em altas RPM é algo para qual o protótipo ainda não oferece respostas nem contramedidas de segurança. Apesar das dúvidas e da esquisitice, o vídeo mostrando o primeiro voo do multicóptero não deixa de dar a sensação de que o “voo ao ar livre” deve ser tão delicioso como um passeio de motocicleta. E, vale recordar, o primeiro voo do 14 Bis também não deve ter passado muita confiança.

Veja o multicóptero em ação:

Por causa da leveza e propulsão elétrica, o equipamento tem um custo de produção baixo. Os responsáveis pelo projeto garantem que com apenas US$8 ele pode voar por até uma hora.

Helicóptero com vice-governador do ES e deputados perde porta em voo

Piloto fez um pouso de emergência e seguiu para Vitória sem a porta.
Givaldo Vieira participou em São Gabriel da Palha de uma inauguração.

Porta de helicóptero onde estava vice-governador do ES cai em voo (Foto: Divulgação/Secom)

A porta do helicóptero em que estava o vice-governador do Espírito Santo e alguns deputados se soltou da aeronave e despencou em pleno voo na tarde desta quarta-feira (9), em São Gabriel da Palha, no Norte do estado. O piloto precisou fazer um pouso de emergência e, minutos depois, seguiu viagem para a Capital do Espírito Santo, mesmo sem a proteção da aeronave.

De acordo com a equipe do vice-governador Givaldo Vieira, dentro do helicóptero ainda estavam o piloto e co-piloto, o secretário estadual de agricultura Ênio Bergoli, os deputados Henrique Vargas e Genivaldo Lievori, além de um cerimonialista. Eles voltavam de uma inauguração de um mercado popular de alimentos em São Gabriel da Palha, distante 200 km da capital capixaba.

Após a decolagem, por volta de 17h, a aeronave apresentou um problema, e os ocupantes ouviram um grande barulho. Segundo Givaldo Vieira, o piloto reduziu a velocidade e a porta se desprendeu, caindo em um pasto no município. O piloto ainda pousou o helicóptero e decidiram seguir viagem.

Givaldo Vieira disse que foi um pequeno susto e ninguém ficou apavorado. O vice-governador, o secretário, o cerimonialista, e os deputados foram tranquilizados pelos pilotos que são militares.

O vice-governador afirmou que o governo do estado através do grupamento aéreo, iniciou um procedimento para descobrir o motivo da falha do equipamento. A aeronave seguiu para a manutenção e a fabricante foi notificada para emitir parecer técnico. Uma equipe da Aeronáutica chegou ao estado nesta quinta-feira e fez uma perícia na aeronave. Fabricantes do helicóptero também vieram investigar as causas do acidente.

Fonte: http://g1.globo.com/espirito-santo

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Pilotos de helicóptero não querem abertura de mercado

Associação do setor elenca argumentos técnicos, econômicos e estratégicos para impedir que estrangeiros sejam autorizados a pilotar no país

Helicóptero em plataforma da Petrobras na Bacia de Campos, Rio de Janeiro

Demanda por pilotos de helicóptero deve crescer com a exploração de petróleo no pré-sal (Marcelo Sayão/EFE)

Os pilotos brasileiros de helicóptero são contra abertura do mercado nacional para pilotos estrangeiros, mesmo que em caráter temporário. A possibilidade de acabar com essa reserva de mercado está sendo patrocinada pelo deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), relator do novo Código Brasileiro de Aeronáutica. O código está na lista de projetos a votar até o fim do ano na Câmara.

A reação à mudança do artigo nº 158 do código atual, que não permite a contratação de estrangeiros, é liderada pela Associação Brasileira de Pilotos de Helicóptero (Abraphe). A entidade enviou ao relator, na semana passada, um documento com argumentos "técnicos", "econômicos" e "estratégicos" e pede que prossiga "inalterado" o artigo porque os dados oficiais provariam que não haverá falta de pilotos nos próximos anos – nem mesmo por conta da demanda prevista com o aumento da produção do petróleo do pré-sal.

O presidente da Abraphe, comandante Rodrigo Duarte, citou dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para mostrar que o ritmo de formação e concessão de licenças de piloto atinge "recorde histórico" e que, por isso mesmo, não se justifica a contratação de estrangeiros. No ano passado, diz a associação, "foram emitidas 124 licenças de Piloto de Linha Aérea de Helicóptero (PLAH), 262 licenças de Piloto Comercial de Helicóptero (PCH) e 410 licenças de Piloto Privado de Helicóptero (PPH), totalizando 672 novos pilotos de helicóptero no mercado e 124 pilotos que alcançaram o nível máximo de suas carreiras podendo exercer funções de comandante em aeronaves de maior porte."

Em setembro, também segundo a Anac, já foi batido o recorde de 2010. "O Brasil hoje está gerando mão de obra em escala compatível com as demandas do mercado", justifica a entidade. "Não há falta de pilotos, nem mesmo a possibilidade de haver essa falta nos próximos oito anos pelo ritmo observado nos últimos 2 anos", acrescenta.

Outro argumento é de ordem econômica. Segundo a associação, a expectativa de geração de empregos tem fomentado a procura por escolas de formação de pilotos, gerando uma série de outros postos de trabalho. Além disso, os pilotos brasileiros alegam que os estrangeiros receberão seus salários aqui, mas remeterão parte considerável para o exterior, sem gerar benefícios para o país. "Portanto, pelo aspecto econômico, fica evidenciado que será um desastre a possibilidade da contratação de pilotos estrangeiros no Brasil", diz a Abraphe.

A associação dos pilotos brasileiros também defende a reserva de mercado alegando questões de segurança nacional e de voo. "Pilotos estrangeiros irão voar no Brasil sobre pontos estratégicos de nossa riqueza e segurança nacional (quem serão esses pilotos?)", questiona. "A segurança de voo ficará comprometida, pois pilotos de diversas localidades, com culturas e línguas diferentes irão transportar os funcionários altamente especializados que trabalham nas plataformas de petróleo, dividindo o espaço com pilotos brasileiros, em território brasileiro, em espaço aéreo extremamente congestionado, em que a língua exigida é somente o português", completa a Abraphe.

Fonte: http://veja.abril.com.br

Helicóptero é apreendido após realizar voos irregulares em Goiânia

O Grupo Aéreo da Policia Militar (Graer) apreendeu na manhã desta segunda-feira (24), em Goiânia, um helicóptero que realizava voos comerciais irregularmente. De acordo com a PM, a aeronave foi localizada próxima ao estádio Serra Dourada, após uma denúncia do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Anápolis (DTCEA-AN).

Segundo a Polícia Militar, o helicóptero costumava oferecer voos panorâmicos em Goiânia. Os passeios duravam cerca de três minutos e custavam R$ 50. De acordo com o Graer, o abastecimento da aeronave também era feito de maneira ilegal.

O piloto e o dono da empresa foram encaminhados para o 8º Distrito Policial, no Setor Pedro Ludovico, onde devem prestar depoimento nesta segunda-feira (24).

Fonte: G1/Goiás

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Com a ajuda de um helicóptero, PRF recupera carro roubado

image

Ford Ecosport havia sido roubado no dia 29 de setembro, em Goiânia (GO) (Foto: PRF / Divulgação)

Com o uso de um helicóptero, a PRF (Polícia Rodoviária Federal) conseguiu recuperar, nesta quinta-feira, no km 532 da rodovia BR 163, em Jaguari, um carro Ford Ecosport, que havia sido roubado no dia 29 de setembro, em Goiânia (GO).

A PRF suspeitou do carro ao avistar, do helicóptero, o automóvel desviando do posto policial.

Quando o carro retornou à rodovia federal, ele foi abordado pela polícia e encaminhado ao posto da PRF para checagem.

Um homem de 49 anos conduzia o carro. Ele foi preso.

Fonte: http://www.campograndenews.com.br/transito

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Veja algumas imagens, da operação de resgate do helicóptero Bell 206, que caiu semana passada em New york

111004helicoptero_ny_f_013             image image

image

A  queda de uma helicóptero com cinco pessoas a bordo matou uma mulher na tarde desta terça-feira (3) no East River, em Nova York, segundo a polícia. O acidente ocorreu próximo ao heliporto da Rua 34, em Manhattan, às 15h24 locais, logo após a decolagem do helicóptero, um modelo Bell 206 comercial, segundo Paul Browne, porta-voz da polícia.

O helicóptero ficou totalmente submerso na água lodosa, virado de ponta-cabeça.

O piloto e três passageiros foram resgatados logo depois da queda. Três ficaram feridos, segundo os bombeiros.

As vítimas seriam turistas britânicos, segundo a WNBC-TV.

Equipes de resgate continuaram as buscas pela quinta pessoa, até que seu corpo foi encontrado sem vida..

Pelo menos dez barcos, a maioria da polícia, além de mergulhadores, participaram da tentativa de resgate.

A testemunha Joy Garnett afirmou que o helicóptero fez movimentos estranhos e girou duas ou três vezes antes de parar na água.

Ela chegou a achar que era alguma filmagem de cinema.

Ele teria caído de uma altura de cerca de 8 metros, segundo ela.

Fonte: Todos as imagens foram retiradas da internet, não sendo de nossa autoria.

Pouso de helicóptero da SSP danifica lojas e machuca moradores em Ponte Alta

O helicóptero da Secretaria de Segurança Pública (SSP) realizou um pouso desastrado na tarde desta terça-feira, 11

image

O helicóptero da Secretaria de Segurança Pública (SSP) realizou um pouso desastrado na tarde desta terça-feira, 11, na praça central da cidade de Ponte Alta do Tocantins, causando prejuízos a lojistas e moradores da cidade.
Segundo Ronan Barros, que mora em frente à praça, o helicóptero pousou em local impróprio. “Esse helicóptero não podia ter pousado aqui, até porque não existia emergência nenhuma que justificasse esse pouso”, reclamou o morador.
Barros disse ainda que varias casas do entorno ficaram danificadas, janelas foram quebradas e lojas parcialmente destruídas além de algumas pessoas ficaram feridas por causa de vidros arremessados pelos ventos das hélices. “O vento foi tão forte que quase empurrou um senhor de idade para dentro de uma casa. Ele poderia ter se machucado muito”, explicou o Barros.
Marcos Rangel Mascarenhas, funcionario da loja atingida, teve ferimentos na cabeça Durante o pouso, umas das lojas em frente a praça, teve sua vidraça quebrada atingindo um funcionário e uma das clientes que estava dentro do estabelecimento. "O vento que a aeronave fez quebrou o blindex da minha loja e machucou as pessoas lá dentro", afirmou Erasmos Ruffo.
Ronan Barros e Erasmo Ruffo informaram ainda que iram fazer uma denúncia aos órgãos competentes para que esse tipo de ação não volte a ocorre na cidade.
Em contato com a delegacia de polícia de Ponte Alta, um funcionário afirmou que o helicóptero é da Secretaria de Segurança Pública (SSP) e que os agentes pousaram na cidade para fazer algumas notificações na delegacia, pois estavam procurando focos de incêndio.
Segundo a assessoria de comunicação da SSP, o helicóptero pousou na praça, porque a pista de pouso estava interditada e não havia outro local onde pudesse realizar o pouso. Ainda segundo a SSP, pousos e decolagens só podem ser autorizados pela Casa Militar.
O chefe da Casa Militar, coronel Luiz Cláudio Benício, entrou em contato com o CT na tarde desta terça-feira, 11, informando que o piloto responsável pelo pouso enviará nota à redação, contando a versão dele sobre os fatos. O coronel Benício informou também que irá procurar as pessoas prejudicadas pelo pouso do helicóptero para conversar e se inteirar sobre o que de fato aconteceu. "Não temos intenção de causar prejuízo a ninguém", afirmou.

Fonte: http://surgiu.com.br

SP: helicóptero tomba após pousar no Parque Ecológico do Tietê

imageimage

 

Nesta terça-feira, um helicóptero tombou quando pousava na região do Parque Ecológico do Tietê, na Zona Leste de São Paulo, de acordo com a Polícia Militar. O Corpo de Bombeiros informou que não houve feridos.

Logo após o pouso, o helicóptero foi coberto com uma lona preta. Segundo a Aeronáutica, um voo de instrução estava sendo realizado com a aeronave do tipo Robinson 22, prefixo PT-YEC. O helicóptero partiu do Campo de Marte, na Zona Norte da capital paulista, e estava indo para o Aeroporto Internacional de guarulhos, na Grande São Paulo. No entanto, durante o voo, a aeronave teve que fazer um pouso forçado por volta das 11h40, e tombou. Ainda não há informações sobre o motivo do pouso de emergência.

O helicóptero tinha capacidade para dois tripulantes, mas a Aeronáutica não soube informar quantas pessoas estavam dentro da aeronave. Uma equipe do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa) foi enviada ao local para apurar as causas do pouso de emergência.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Notícias – GO AIR

Habilitação e Licenças

A partir de agora é possível acompanhar o andamento de processos do setor de Habilitação e obter informações sobre Licenças de Pessoal pelo 0800 725 4445. O número é exclusivo à aviação civil. Mais detalhes acesse http://www.anac.gov.br/Noticia.aspx?ttCD_CHAVE=341

Dica para navegar na net

A aviação voltada para helicópteros cresce em todo o mundo. Junto a ela crescem também muitos sites que acompanham esta constante evolução.

Um deles vale entrar para "favoritos" por apresentar um novo método de consulta e auxílio. Trata-se de uma nova e recente ferramenta de informação sobre asas rotativas criada para que pilotos, funcionários e interessados no setor de helicópteros possam ter acesso a informações e curiosidades de todos os cantos do mundo. No site é possível encontrar links de fabricantes de aeronaves, revistas e artigos, organizações, glossário, endereços de museus entre outras coisas. Para acessar o endereço é o http://www.helicopterlinks.com/

sábado, 1 de outubro de 2011

Google Maps agora permite vista de helicóptero em 3D

Atualização permite enxergar do alto e em 3D as rotas sugeridas para o destino pesquisado

Google Maps 3D

Exemplo de busca com a visão de helicóptero, nova função do Google Maps

São Paulo - Além do Google Street View, uma das funções mais populares do Google Maps é o cálculo de trajetos entre dois pontos sugeridos, o "Como Chegar". O recurso permite que você escolha as direções, ruas e avenidas por onde quer passar, estando de a pé, de carro ou de bicicleta.  

Nesta sexta-feira, a equipe do Maps lançou uma nova função: o botão '3D' nos trajetos sugeridos, que te faz acompanhar todo o caminho como se estivesse vendo a cidade do alto, de dentro de um helicóptero, facilitando sua localização.

Segundo o blog do Google Maps, o serviço de rota aérea deve ser ativado ainda hoje para o mundo inteiro. O processo para uso é o mesmo de sempre - só digitar o ponto de partida e o ponto de chegada, e a nova função 3D aparece como botão ao lado da pesquisa.

"O mapa vai mudar para a vista aérea e automaticamente você começar a voar na sua rota recomendada", explicou o engenheiro do Maps Paul Yang em um post do blog da equipe. "Para ajudar você a manter o controle de qual etapa está, o trecho atual da viagem é destacado no painel da esquerda. Você também pode pular para uma parte diferente da viagem, clicando em uma etapa diferente", explica.

Os usuários também podem pausar a visualização 3D clicando em regiões fora da rota pesquisada. Há ainda a opção de retornar para a visão tradicional padrão clicando no botão '2D' no painel das direções, no lado esquerdo. À primeira vista, o Maps 3D parece misturar bem as experiências do Google Maps e do Google Earth.

Fonte: http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Helicóptero do Ibama cai no teto de igreja no Pará

O acidente aconteceu por volta das 15h desta segunda-feira, no bairro da Paz

foto

Foto: DIARIO ONLINE PARÁ/MAURO TORRES

Helicópotero caiu três minutos depois de decolar

Um helicóptero do Ibama caiu sobre o teto de uma igreja, na tarde de hoje (26), em Itaituba (região Oeste do Pará), após um pouso forçado. Três pessoas estavam a bordo da aeronave, mas não sofreram ferimentos graves. A aeronave ficou bastante danificada.

O acidente aconteceu por volta das 15h, no bairro da Paz. Segundo informações do site "O Estado do Tapajós", o helicóptero era ocupado pelo piloto, co-piloto e um mecânico. O mecânico se feriu e foi conduzido por uma ambulância do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) para o Hospital Municipal de Itaituba. Os outros dois ocupantes saíram ilesos.

O helicóptero caiu entre o templo de uma igreja da Assembleia de Deus e uma residência, atingindo os dois prédios. Ninguém estava no local no momento do acidente.

O helicóptero apresentava riscos de explosão e homens do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar fizeram o isolamento a área. Os bombeiros utilizaram extintores de espuma para evitar que a aeronave se incendiasse.

Segundo informações coletadas no local do acidente, a queda aconteceu cerca de três minutos depois de o helicóptero decolar do escritório local do Ibama. Um problema no rotor de cauda da aeronave teria sido a causa da queda, mas, segundo informou o major Nei Tito Azevedo, comandante do Corpo de Bombeiros, qualquer informação precoce pode ser considerada especulação.

Fragmentos da fuselagem do helicóptero serão recolhidos e encaminhados para perícia. Só depois de expedido o laudo oficial, será possível identificar as causas do acidente.

(DOL, com informações do repórter Mauro Torres/Sucursal do Diário em Itaituba)

Fonte: http://www.correiodoestado.com.br

sábado, 24 de setembro de 2011

Notícias Go Air - Segurança de Voo - Inscrições abertas para palestra na quinta-feira (29/09), às 15 horas

image

Estão abertas as inscrições para a palestra sobre segurança de voo que a Go Air realiza em seu auditório no próximo dia 29 (5ª feira), às15 horas. Com o tema “A Recuperação de Atitudes Anormais”, o palestrante Cmte Danilo Andrade, especialista em Segurança de Voo/CRM, fará uso de estudos envolvendo acidentes com diferentes tipos de aeronaves em que a entrada não intencional em situação de atitude anormal e a demora do piloto em iniciar a recuperação foram decisivas para a ocorrência. A influência do fator humano para a segurança de voo e outros pontos, tais como a desorientação espacial; a distração e  possíveis falhas do piloto automático também serão abordados na ocasião. Inscreva-se.

A palestra é gratuita e aberta a alunos, pilotos e interessados no tema. Inscrições e mais informações na recepção da escola ou com o Thyago pelo email thiago@goair.com.br ou telefone 11 2221 5498 . Vagas limitadas.

VIPs optam por helicóptero para chegar mais rápido à Cidade do Rock

Comodidade no transporte pode custar em torno de R$ 7 mil, por pacote.
Aeronaves vão pousar para embarque e desembarque no Riocentro.

Alba Valéria Mendonça Do G1 RJ

Empresa Maricá Táxi Aéreo já tem três voos programados para o Rock in Rio (Foto: Divulgação/ Divulgação)Empresa tem 3 voos programados para deixar VIPs
perto da Cidade do Rock 
(Foto: Reprodução/internet)

O conforto custa caro. E quando aliado à comodidade de ser deixado rapidamente e ainda mais perto do portão de entrada da Cidade do Rock, na Zona Oeste do Rio, nos dias do festival, aí mesmo é que o preço chega às alturas: na casa dos R$ 7 mil. Mesmo assim, de acordo com algumas empresas de fretamento de helicóptero, a procura pelo serviço vem aumentando gradativamente na proporção em que a estreia do Rock in Rio se aproxima. O festival começa nesta sexta-feira (23).

“Brasileiro deixa tudo mesmo para a última hora. Alguns clientes já vinham fazendo um levantamento de preço esporádico. Mas, desde quarta-feira (21), a procura aumentou bastante. Recebemos uns dez telefonemas por dia. Já temos três voos fechados, sendo um para sexta-feira (23) e outros dois para a segunda semana do festival”, informou Elizabeth Albani, coordenadora da empresa Maricá Táxi Aéreo.

A dois dias para início do Rock in Rio, Palco Mundo já está pronto (Foto: G1) Palco Mundo na Cidade do Rock (Foto: G1)

De acordo com as empresas, as decolagens podem ocorrer do Aeroporto do Galeão, na Ilha do Governador, do Aeroporto Santos Dumont, no Centro, do Aeroporto de Jacarepaguá, na Zona Oeste, ou ainda do Heliponto da Lagoa, na Zona Sul do Rio. O destino de todas as aeronaves é o heliponto do Riocentro, que fica em frente à Cidade do Rock.

Segundo Celso Moreira, sócio da Condor Vip, que vai decolar do Galeão, entre embarque, viagem e desembarque, ele acredita que o cliente não gaste mais do que 30 minutos. Bem menos tempo que levaria para se deslocar até a Cidade do Rock nos ônibus especiais.

“Mais do que conforto, as pessoas que buscam o helicóptero como transporte estão preocupadas com a segurança. São empresários, artistas, pessoas de classe média alta ou alta que não querem ou não podem ficar expostos num ônibus. São VIPs que ficaram impedidos de chegar à Cidade do Rock em seus carros blindados e que preferem sair de casa, ir até o aeroporto e pagar caro pelo fretamento de um helicóptero por um pouco mais de privacidade”, observou Moreira, que tem oito voos contratados para levar passageiros ao festival.

saiba mais

O pagamento é feito por hora de voo. Em média, o custo da hora de voo nas empresas de fretamento gira entre R$ 2 mil e R$ 3 mil, dependendo da aeronave, que pode ter capacidade de três a seis pessoas. Ou seja, num pacote de ida e volta pode custar em média R$ 6 mil e o cliente ainda tem de arcar com mais R$ 1 mil de taxa de pouso do helicóptero no Riocentro.

“A maioria dos nossos clientes vem de outros estados. São pessoas que já utilizam bastante e conhecem o nosso trabalho”, explicou Moreira.

Mas toda essa comodidade pode virar fumaça se as condições climáticas impedirem que as aeronaves decolem com segurança. Neste caso, não haverá alternativa: mesmo os VIPs terão de deixar o festival por meios terrestres.

“Antes de fechar o negócio informamos os clientes desse risco. Se não houver teto para decolar por conta de vento, chuva ou nevoeiro fortes, não haverá o que fazer. Vamos ressarcir os clientes”, disse a coordenadora da Maricá Táxi Aéreo.

Fonte: http://g1.globo.com/rock-in-rio

Americano salta de helicóptero e "voa" através de caverna

Vestindo um wingsuit, ou macacão com asas, Jeb Corliss voou através da caverna chinesa Tianmen. Foto: AP

Vestindo um wingsuit, ou macacão com asas, Jeb Corliss "voou" através da caverna chinesa Tianmen
Foto: AP

O americano Jeb Corliss passou "voando" por dentro da caverna Tianmen, na província chinesa de Human, após saltar de um helicóptero. Ele usava um wingsuit, ou macacão com "asas", que melhora o desempenho no ar, em um esporte chamado de base jumping.

A manobra, patrocinada por uma marca de bebida energética, foi ensaiada na quinta-feira, quando Corliss saltou de uma montanha de 1.500 m de altura. Com o traje com asas, a velocidade da queda livre diminui de cerca de 190 para 100 km/h, enquanto a velocidade horizontal aumenta de 170 km/h para 200km/h.

Fonte: http://noticias.terra.com.br

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

BMW Group marca presença no lançamento do Bell 407 GX

image image

Ao lado do único helicóptero mono-turbina a ser lançado no país, o BMW Group apresenta o modelo BMW 750i e a motocicleta BMW K 1600 GT.

A TAM Aviação Executiva e a Bell Helicopter lançam para o mercado nacional o Bell 407GX, único helicóptero mono-turbina enquadrado no conceito “full gass cockpit”, que reduz a carga de trabalho do piloto e oferece maior segurança durante o vôo.

Ao lado do luxuoso helicóptero Bell 407GX, o BMW Group também estará presente no evento com os modelos BMW 750i Unique e a motocicleta recém lançada ao país BMW K 1600 GT, reunindo em um único local referências em segurança, potência e tecnologia para um público seleto.

O coquetel de lançamento ocorrerá no dia 22/9, no Hangar 1 da TAM Aviação Executiva.

Sobre o BMW Group

O BMW Group é um dos mais bem sucedidos fabricantes de automóveis e motocicletas do mundo, com suas marcas BMW, MINI, Husqvarna e Rolls-Royce. Como uma empresa global, o BMW Group opera 25 instalações de produção e montagem em 14 países e tem uma rede de vendas global presente em mais de 140 países.

Durante o ano financeiro de 2010, o BMW Group vendeu 1,46 milhão de carros e mais de 110.000 motocicletas em todo o mundo. Em 2010 a receita do Grupo foi de 60,5 bilhões de euros, sendo que o lucro antes dos impostos atingiu o valor de 4,8 bilhões de euros. Em 31 de dezembro de 2010, o BMW Group contou com uma força de trabalho de aproximadamente 95.500 funcionários.

O sucesso do BMW Group sempre foi baseado em projetos de longo prazo e ações socialmente responsáveis. A empresa, portanto, estabeleceu uma sustentabilidade ecológica e social ao longo de toda a sua cadeia de valor, uma abrangente responsabilidade com relação aos seus produtos e um claro compromisso com a conservação de recursos como parte essencial de sua estratégia. Como resultado de seus esforços, o BMW Group foi classificado como líder da indústria nos Índices de Sustentabilidade Dow Jones nos últimos sete anos.

Para mais informações referentes aos produtos do BMW Group, cadastre-se no site de imprensa www.press.bmwgroup.com na opção Brasil em network, por meio da ferramenta network. Ao realizar o cadastro, é possível obter releases com a ficha técnica dos produtos, fotos, teasers, vídeos e notícias exclusivas sobre as marcas.

Fonte: http://www.segs.com.br

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

image

Bom dia caros leitores

Com a técnologia a 1.000 por hora, resolvi criar um app (aplicativo) para androd, que pode ser instalado tanto em celulares como tablets.

Agora vocês podem ler nossas notícias em seus equipamentos portateis, espero que gostem da novidade segue link abaixo para download.

Instalação: baixe o aplicativo e salve no seu Sdcard(cartão de memória) execute a instalação e pronto comece usar.

Download

sábado, 17 de setembro de 2011

Notícias Go AIr - FORÇA-TAREFA NO CAMPO DE MARTE AGILIZA CHEQUES E RE-CHEQUES

image image

A força-tarefa promovida pela Associação Brasileira dos Pilotos de Helicóptero (ABRAPHE) para diminuir a espera dos pilotos por validação e revalidação das suas licenças tem sido um sucesso. Desde que a ação começou, em julho, mais de 120 pilotos de helicóptero realizaram cheque e re-cheque via a sede da entidade, localizada no Aeroporto Campo de Marte, em São Paulo.

A ação é resultado da parceria firmada entre a ABRAPHE e a ANAC (Agência Nacional da Aviação Civil), que mensalmente disponibiliza um ou mais INSPACs autorizados para a realização os cheques e re-cheques em um ou mais dias da semana, de acordo com a demanda.

Só na última ação, finalizada no último dia 12/09, foram mais de 40 pilotos atendidos em cinco dias de ação. Nos próximos meses, a força-tarefa continua com o intuito de contribuir para uma solução em breve para a espera por processos, habilitação e voos de cheque e re-cheque entre pilotos de todo o País. Mais informações sobre as próximas datas, podem ser obtidas na sede da entidade pelo telefone (11) 2221 2681 ou pelo site www.abraphe.org.br

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Notícias Go Air - Segurança de Voo-palestra dia 29 na Go Air

image

“A Recuperação de Atitudes Anormais” será o tema da palestra ministrada pelo Cmte Danilo Andrade, especialista em Segurança de Voo/CRM, que acontece no próximo dia 29/09 (5ª feira),às 15 horas, no Auditório da Go Air.
Fazendo uso de estudos envolvendo acidentes com diferentes tipos de aeronaves em que a entrada não intencional em situação de atitude anormal e a demora do piloto em iniciar a recuperação foram decisivas para a ocorrência, o palestrante apresentará situações de influência direta do fator humano para a segurança de voo. Entre os pontos que serão abordados na ocasião estão a desorientação espacial; a distração; possíveis falhas do piloto automático, de instrumento e de comando, com seus automatismos ou ação oposta do piloto; além de problemas no motor em momento de baixa energia e grande ângulo de ataque.

A palestra é gratuita e aberta a todos os pilotos e alunos interessados. As inscrições já estão abertas e as vagas são limitadas. Mais informações na recepção da Go Air e na secretaria da Escola  com o Thyago pelo telefone 11 2221-5498 e email thiago@goair.com.br

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

AJUDA HUMANITÁRIA- FAB transportou 25 toneladas de mantimentos para as vítimas das enchentes no sul

Os dois helicópteros da FAB levaram água potável, medicamentos e alimentos para a população de cidades isoladas

Em dois dias de operações, a Força Aérea Brasileira (FAB) transportou cerca de 25 toneladas de suprimentos para as vítimas das enchentes em Santa Catarina, no sul do País. Os dois helicópteros da FAB, um H-34 Super Puma, do Terceiro Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação, e um Black Hawk, do Quinto Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação, transportaram, de forma ininterrupta, água potável e mantimentos para o município de Rio do Sul, um dos mais afetados pelas chuvas. Uma Missão de Misericórdia também trasladou nove pessoas que precisavam urgentemente realizar sessões de hemodiálise.

A missão de ajuda humanitária teve início no sábado (10/9) com  o transporte de oito toneladas de suprimentos entre água, cestas básicas, material de higiene e limpeza, além de medicamentos. As operações prosseguiram durante todo o dia de domingo (11/9). Logo ao nascer do sol, as aeronaves da FAB iniciaram, prioritariamente, o transporte de água potável para o município de Rio do Sul. Cerca de 70%  da cidade ainda continua debaixo da água. No final do dia os dois helicópteros haviam transportado 16,6 toneladas de carga.

"Como os acessos rodoviários às cidades afetadas pelas chuvas já começam a ser restabelecidos, os mantimentos devem começar, a partir de agora, a ser transportados por via terrestre e pelas aeronaves de pequeno porte das forças auxiliares. O nosso papel, de transporte emergencial logo após a calamidade, com o emprego de helicópteros de grande porte, foi cumprido e temos a certeza de que foi um fator importante para amenizar o sofrimento das vítimas das enchentes", afirma o Coronel Aviador Paulo Roberto de Barros Chã, Comandante da Base Aérea de Florianópolis, que em coordenação com órgão do  governo de de Santa Catarina, esteve à frente das operações da FAB na ajuda humanitária no estado.

Durante o transporte de mantimentos, a tripulação do H-34 Super Puma, do Terceiro Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação, realizou uma Missão de Misericórdia. Nove pessoas que precisavam urgentemente realizar sessões de hemodiálise e estavam isolados em várias cidades foram transferidas de Pouso Redondo para Rio do Sul.

"Essas pessoas necessitam fazer as sessões todos os dias. Algumas delas já estão há três dias sem fazer a hemodiálise e se não fosse o transporte rápido via aérea certamente o quadro delas, que é estável no momento, poderia se complicar", ressaltou o médico Ludovico Sehnem Jr, que atendeu e encaminhou os pacientes para o tratamento em uma clínica da cidade de Rio do Sul.

Fonte: http://www.fab.mil.br

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Boletim das chuvas em Santa Catarina

Chuva, alagamentos e deslizamentos deixam SC em alerta!

image

08/09/2011 07:53h

O tempo segue instável com céu encoberto e chuva de intensidade moderada a forte no Estado. Nas próximas 24h ainda há previsão de chuva volumosa, com totais variando entre 70 e 100mm em média, podendo superar esse valor em algumas localidades, devido a presença de áreas de instabilidade associadas a um sistema de baixa pressão no Sul do Brasil e ao Jato Subtropical.

Mantém-se o risco de deslizamentos e alagamentos em áreas vulneráveis até o período da manhã de sexta-feira, e aliado a maré astronômica alta, dificulta o escoamento das águas em direção ao mar.

No decorrer da sexta-feira, o tempo melhora com diminuição da nebulosidade e aberturas de sol a partir da tarde em algumas regiões.

*em caso de sinistro acione a defesa civil local e/ou bombeiros da sua região.

Fonte: http://ciram.epagri.sc.gov.br

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Helicóptero explodiu na queda em Maresias, dizem bombeiros

Os corpos do casal Edson Reis e Luciana Reis e do empresário André Bicego Martins foram encontrados carbonizados

A Força Aérea Brasileira (FAB) resgatou nesta quinta-feira e à tarde os corpos dos ocupantes de um helicóptero que estava desaparecido desde a última terça-feira após ter saído de Campinas, no interior de São Paulo, com destino a Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. A aeronave, modelo R-44, foi localizada na praia de Maresias, em São Sebastião, litoral norte de São Paulo. Os corpos do casal Edson Reis e Luciana Reis e do empresário André Bicego Martins, estavam carbonizados, segundo o Corpo de Bombeiros.

image

A aeronave havia decolado do Campo dos Amarais. Bicego, que pilotava sua própria aeronave, teria feito um contato com a torre na altura da cidade de Jundiaí, também no interior paulista, para informar que a rota havia sito alterada e que pousaria no Guarujá, litoral de São Paulo. Segundo relatos de agentes da Defesa Civil, que conversaram com parentes das vítimas, os ocupantes iriam até o Guarujá ver um barco para comprar. Pouco tempo depois, ainda segundo a Defesa Civil, um novo contato teria sido feito. Desta vez, Martins teria perguntado à torre se existia um local para pousar na região de Maresias, pois enfrentava mau tempo.

Segundo a Defesa Civil, o piloto pode ter perdido o controle da aeronave. "A frente fria chegou muito rápida e pode ter surpreendido o piloto. Não deu tempo de ele encontrar o heliponto, possivelmente devido à intensa neblina e ventos que chegaram a 60 km/h", explica o agente da Defesa Civil, Carlos Eduardo dos Santos. Para o chefe do órgão, Emerson Alonso, o vento pode ter jogado o aparelho contra duas árvores, de cerca de seis metros cada uma.

Foto: AE

Local próximo ao ponto onde foi encontrado o helicóptero no litoral paulista

A Defesa Civil de São Sebastião chegou ao local da queda hoje pela manhã, a 200 metros acima do nível do mar, após relatos de moradores que afirmaram ter visto o helicóptero sobrevoando baixo e em seguida ouvido um estrondo na manhã da última terça-feira. A FAB, o Corpo de Bombeiros, a Polícia Militar e a Polícia Ambiental iniciaram as buscas no mesmo dia, mas elas tiveram de ser suspensas devido ao mau tempo. "Ele (o helicóptero) deu duas voltas por cima da mata e desapareceu na neblina", relata o repórter-fotográfico João Bressa. Um mateiro localizou os destroços às 8h10 de hoje.

O capitão Danilo Godoy, do Corpo de Bombeiros, afirmou que os destroços, assim como os corpos, estavam espalhados em um raio de 100m². O local da queda, de mata fechada e de difícil acesso, está situado a cerca de 3,5 quilômetros da rodovia Rio-Santos e a menos de 1,5 quilômetro do heliponto de Maresias. "Os corpos estavam irreconhecíveis devido à explosão do helicóptero", disse o capitão dos Bombeiros.

Parentes e amigos das vítimas acompanharam as buscas durante todo o dia. Ninguém quis falar com a imprensa. Apesar de a aeronave ter sido localizada às 8h10, policiais do Instituto de Criminalística (IC) chegaram ao local sete horas depois. Elas estariam em uma ocorrência em Ubatuba, a 110 quilômetros do local da queda.

Vários acidentes aéreos, principalmente com helicópteros, já foram registrados na região de Maresias. O de maior repercussão aconteceu em julho de 2001, quando o helicóptero em que viajaram o empresário João Paulo Diniz, herdeiro do Grupo Pão de Açúcar, e sua então namorada, a modelo Fernanda Vogel, caiu no mar também devido a uma tempestade. Fernanda e o piloto Ronaldo Jorge Ribeiro morreram. Diniz e o co-piloto Luiz Roberto de Araújo Cintra nadaram até a praia e se salvaram. Três anos depois, o inquérito que investigou o acidente foi arquivado e ninguém foi responsabilizado pelo acidente.

Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br

Frota de helicópteros em São Paulo indica descaso com transporte público

Pesquisador defende necessidade de soluções "de baixo para cima" ante questões urbanas. Para ele, cenário mostra que elite "resolve só os seus problemas"

Cidades

Frota de helicópteros em São Paulo indica descaso com transporte público

Pesquisador defende necessidade de soluções "de baixo para cima" ante questões urbanas. Para ele, cenário mostra que elite "resolve só os seus problemas"

Por: Jéssica Santos de Souza, Rede Brasil Atual

Publicado em 06/09/2011, 09:24

Última atualização às 09:24

Frota de helicópteros em São Paulo indica descaso com transporte público

Helicóptero particular sobrevoa região central de São Paulo: elite desinteressada em soluções para caos urbano (Foto: ©Lalo de Almeida/Folhapress)

São Paulo - Para enfrentar problemas de grandes cidades, é preciso apostar na organização popular para fazer emergir "uma força de baixo para cima". A receita foi apresentada pelo pesquisador Luis César de Queiroz Ribeiro, do Observatório das Metrópoles vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ele acredita que o fortalecimento da cidadania depende desse tipo de mobilização.

Durante o Seminário Brasil Metropolitano, realizado na Universidade Presbiteriana Mackenzie, na capital paulista, nesta segunda-feira (5), o pesquisador afirmou que as classes dominantes tendem a continuar a resolver apenas seus próprios problemas, de forma imediatista e individualista. Enquanto isso, os governos não agem como deveriam para solucionar mazelas enfrentadas pela maior parte da população das grandes cidades, como transporte públicos.

"São Paulo tem hoje uma das maiores frotas de helicópteros do mundo, no entanto a população sofre com problemas de mobilidade. Isso expressa que quem tem dinheiro resolve seus problemas, sem sem importar com os demais", exemplificou Ribeiro. São Paulo possui 452 aeronaves desse tipo, segundo a Associação Brasileira de Aviação Geral (ABAG), número que coloca a cidade à frente de Nova York, nos Estados Unidos, que possui 445 helicópteros registrados.

Desde que assumiu o cargo, em 2005, o prefeito paulistano, Gilberto Kassab (ex-DEM, rumo ao PSD), tem no helicóptero seu principal meio de transporte pessoal. Ele chega e parte da sede da administração municipal usando o heliporto localizado na cobertura do prédio, na região central da cidade.

Ribeiro defendeu a criação de uma "autoridade legítima" que possa realizar políticas na área da região metropolitana e que combine o "mercado, a solidariedade e a regulação". "Temos de ter um sistema de políticas e arranjos institucionais que deem autoridade pública sobre esse território".

Fonte: http://www.redebrasilatual.com.br

Noivas arrasam ao chegarem de helicóptero

Com glamour e sofisticação, noivas descem do céu para dizer “SIM”.

Nem carros antigos ou modernos garantem uma entrada tão imponente e arrasadora para noivas quanto a chegada triunfal a bordo de um helicóptero. A Helimarte, empresa de táxi aéreo, disponibiliza sua frota de 11 aeronaves para que as noivas tenham conforto, segurança e possam vislumbrar paisagens incríveis a caminho desse momento, sem deixar de lado o romantismo e o brilho da sua chegada.

“As aeronaves proporcionam uma beleza e elegância incomum para a entrada da noiva”, ressalta Jorge Bitar Neto, comandante e proprietário da Helimarte, que muitas vezes pilota pessoalmente a aeronave com a noiva. “Elas ficam muito emocionadas vendo toda a beleza do que passaram meses preparando lá do alto. E os convidados são surpreendidos com algo tão inusitado, que ficam literalmente de boca aberta”, completa.

Modelos de helicóptero como o R44, para três passageiros; o Jet Ranger, para quatro pessoas; e o Esquilo, para até cinco pessoas, acomodam perfeitamente qualquer tamanho de vestido, o pai da noiva e o fotógrafo. “Iniciar a vida a dois chegando do alto é até uma superstição para algumas mulheres. Elas conseguem assim realçar o brilho da tão esperada entrada da noiva, deixando os convidados ainda mais ansiosos”, explica Jorge.

Procedimentos-Para a segurança das noivas e dos convidados, a Helimarte envia um piloto ao local onde elas vão chegar, para avaliar se há espaço suficiente para o pouso da aeronave. “Normalmente, as pessoas não tem noção do espaço necessário para aproximação e pouso de um helicóptero, por isso tomamos todos os cuidados necessários para garantir que esse dia tão sonhado aconteça de forma incrível, e que as noivas ainda possam apreciar a beleza do momento do céu”, diz Jorge.

Os preços para fretamento das aeronaves variam de acordo com o destino e o modelo escolhido. O fretamento de um helicóptero Robinson 44, por exemplo, custa R$ 1.600,00 a hora. A frota da Helimarte obedece rigorosamente a fiscalização da ANAC (Agência nacional de Aviação Civil) e passa regularmente por fiscalização.

Perfil-A Helimarte é a empresa de Táxi Aéreo do Comandante Jorge Bitar Neto, localizada em hangar próprio no Campo de Marte, em São Paulo. Há doze anos no mercado, a Helimarte se diferencia por seus variados serviços oferecidos para os mais variados públicos. Desde transporte para executivos em viagens de negócios, até passeios panorâmicos por São Paulo e fornecimento de aeronaves para coberturas jornalísticas e inspeções aéreas. Somente em 2010, a empresa recebeu quatro novas aeronaves, dispondo de uma frota total de 11 helicópteros, com capacidade de um a seis passageiros, e 4 aviões, com capacidade para quatro a nove passageiros. A Helimarte possui o certificado CHETA (Certificado de Homologação de Empresa de Táxi Aéreo) fornecido pela ANAC, desde 2003.

Fonte: http://www.revistafator.com.br

sábado, 3 de setembro de 2011

SP: emoção marca enterro de vítimas de queda de helicóptero

Cerca de 100 pessoas acompanharam o sepultamento do empresário que pilotava o helicóptero. Foto: Rose Mary de Souza/Especial para Terra

Cerca de 100 pessoas acompanharam o sepultamento do empresário que pilotava o helicóptero
Foto: Rose Mary de Souza/Especial para Terra

  • Os corpos dos três ocupantes do helicóptero que caiu na praia de Maresias, em São Sebastião, litoral norte de São Paulo, foram velados e sepultados nesta sexta-feira em Campinas, no interior de São Paulo. Na cerimônia, familiares se emocionaram ao falar da angústia vivida nos dois dias em que a aeronave ficou desaparecida.

O helicóptero modelo Robison-R44, de prefixo PP-CLE, decolou às 8h da última terça-feira do aeroporto Campo dos Amarais, em Campinas, com três pessoas a bordo, e seguia em direção a Angra dos Reis (RJ), onde deveria chegar às 11h. O último contato via rádio teria ocorrido entre 10h e 10h15. Após o desaparecimento da aeronave no radar, equipes coordenadas pela FAB fizeram buscas nas proximidades da Serra do Mar, no litoral paulista. A aeronave foi encontrada na manhã de quinta-feira em Maresias. Junto aos destroços, estavam três corpos carbonizados.

O enterro do empresário André Martins, que pilotava o helicóptero, ocorreu no Cemitério Flamboyant, no Parque Gramado, às 17h. "Agradeço a Deus por eu ter gerado André e tê-lo comigo nesses 36 anos", disse, muito emocionado, o pai do empresário, João Batista Martins de Sá Júnior. De acordo com ele, André tinha sete anos de experiência como piloto de helicóptero e a aeronave havia sido comprada há pouco tempo.

Isabela Thomazini Martins, mulher do empresário, disse que os dias em que a aeronave ficou desaparecida foram de muita expectativa. "Foram dias de muita angústia, difíceis. Parte de mim foi embora", afirmou, lembrando que André deixou uma filha de 3 meses. Durante o sepultamento, um helicóptero do mesmo modelo fez um sobrevoo na região e chamou a atenção das mais de 100 pessoas que acompanhavam a cerimônia.

O sepultamento do casal de amigos do empresário que acompanhava o voo, Edson e Luciana Reis, aconteceu no Cemitério da Saudade, às 16h. Muito abalados, os familiares e amigos dos dois preferiram não falar com a imprensa. As investigações sobre as causas do acidente serão conduzidas pelo 4º Serviço de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa-4).

Técnicos do Seripa IV fotografam destroços de helicóptero em área de mata fechada  Foto: Adriano Lima/Fotoarena/Especial para Terra

Técnicos do Seripa IV fotografam destroços de helicóptero em área de mata fechada

Fonte: http://noticias.terra.com.br

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Helibras terá capacidade de projetar e produzir helicópteros no Brasil

Atual programa de produção das aeronaves militares EC725, em Itajubá-MG, criará as condições tecnológicas para a qualificação da empresa brasileira

O processo de transferência de tecnologia para a produção do EC725, na fábrica da Helibras em Itajubá – MG, vai permitir que a empresa, até 2020, adquira o know-how necessário para conceber, projetar e produzir um helicóptero no Brasil.

Esta informação foi transmitida pelo presidente da Helibras Eduardo Marson Ferreira, durante seminário sobre a Estratégia Nacional de Defesa realizado esta semana em São Paulo.

Ele revelou que as cláusulas sobre a existência de um conteúdo nacional de 50% existentes no contrato com o Ministério de Defesa para a compra de 50 aeronaves EC725, destinadas às Forças Armadas e já em execução, garantirão a capacitação da empresa brasileira – uma subsidiária do grupo Eurocopter.

“Desde o início deste programa o presidente do grupo, Lutz Bertling, já anunciava, durante uma visita ao Brasil, que a Helibras iria se transformar no quarto pilar de produção da Eurocopter, o que significa ter a capacidade de criar e produzir helicópteros para o mercado mundial”, lembra Marson Ferreira.

Implantação avançada

O programa de produção dos helicópteros militares – e, em conseqüência, de sua versão civil, chamada EC225 e utilizada no transporte offshore, entre o continente e as plataformas de petróleo, por exemplo, já está em andamento.

Como previsto desde o início, a produção das primeiras aeronaves foi realizada na França, com acompanhamento de engenheiros e técnicos militares e civis brasileiros. A implantação das estruturas necessárias no Brasil por técnicos franceses e a capacitação no Brasil e na França dos funcionários da Helibras que produzirão as aeronaves no país, com a contratação de engenheiros (40 até o momento) e mecânicos brasileiros, já aconteceu. E a contratação de fornecedores nacionais, escolhidos para desenvolver as várias tecnologias utilizadas nesse tipo de helicóptero, também já está sendo realizada.

Uma nova fábrica está em fase de construção, em Itajubá – MG, com sua conclusão prevista para o final deste ano e, no total, a empresa passou de 300 empregados em 2009, quando o contrato de € 1,8 bilhão foi assinado, para 560 atualmente, devendo chegar a 1.000 até 2015.

Além disso, outros conhecimentos vêm sendo adquiridos através de certificações para a realização de grandes manutenções, que também é um estágio necessário à capacitação tecnológica, incluindo-se a homologação de fornecedores brasileiros de ferramentais e serviços.

Um helicóptero desenvolvido no Brasil

Quando todo este programa de transferência de tecnologia estiver implantado e as aeronaves militares EC725 (e sua versão civil EC225) estiverem sendo produzidas em solo brasileiro, a Helibras terá condições de definir o tipo de aeronave a ser projetada e desenvolvida no país, considerando seus objetivos de colocar o produto nos mercados não apenas do Brasil ou da América Latina, mas de todo o mundo.

Uma garantia adicional para que esse objetivo venha a ser atingido está no próprio acompanhamento da implantação de todas as etapas do projeto de produção dos helicópteros EC725 e do processo de transferência de tecnologia, feito pelos Ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, da Defesa e das três Forças Armadas.

Sobre a Helibras

A Helibras é a única fabricante brasileira de helicópteros. A empresa é associada ao Grupo Eurocopter, maior fornecedor mundial do setor, controlado pela EADS - European Aeronautic Defence and Space Company. Com participação superior a 50% na frota brasileira de helicópteros a turbina, a Helibras está em atividade no Brasil desde 1978 e mantém instalações em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Sua fábrica, que emprega mais de 550 profissionais e tem capacidade de produção de 36 aeronaves por ano, está localizada na cidade de Itajubá (MG), onde são produzidos diversos modelos que atendem aos segmentos civil, governamental e militar. Desde sua fundação, a Helibras já entregou mais de 550 helicópteros no Brasil, sendo 70% do modelo Esquilo. Em 2010, a empresa teve um faturamento de R$ 395 milhões. Mais informações: www.helibras.com.br

Sobre a Eurocopter e EADS

Fundada em 1992, o grupo Franco-Alemão-Espanhol Eurocopter é uma divisão da EADS, líder mundial em serviços de defesa aeroespacial, e afins, que emprega aproximadamente 17.500 pessoas. Em 2010, a Eurocopter confirmou sua posição de líder como fabricante mundial de helicópteros no mercado civil e parapúblico com um volume de negócios de 4,8 milhões de euros, encomendas de 346 novos helicópteros e uma quota de mercado de 49% nos setores civil e parapúblico. No geral, os helicópteros do Grupo são responsáveis por 33% da frota total mundial civil e parapúblico.A forte presença da Eurocopter no mundo inteiro é garantida por suas 30 filiais e participações nos cinco continentes, juntamente com uma densa rede de distribuidores, agentes certificados e centros de manutenção. Há atualmente 11.200 helicópteros Eurocopter em serviço e 2.900 clientes em 147 países. A Eurocopter oferece a maior gama de helicópteros civis e militares no mundo. Mais informações: www.eurocopter.com

A EADS é líder mundial nos segmentos aeroespacial, de defesa, segurança e serviços relacionados, e inclui a Airbus, a Astrium, a Cassidian e a Eurocopter. Em 2010, a EADS faturou € 45,8 bilhões e empregou cerca de 122 mil trabalhadores

No Brasil, a EADS mantém investimentos há 33 anos, tendo iniciado sua presença por meio da Helibras, subsidiária local da Eurocopter. Também está presente através da EADS Brasil, da EADS Secure Networks Brasil e de escritórios comerciais da Airbus Military e da Spot Image. É acionista da Equatorial Sistemas e desenvolve parcerias de longo prazo com clientes como a TAM, Forças Armadas, Polícia Federal, Agência Espacial Brasileira (AEB), Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e as forças policiais estaduais. Mais informações: www.eads.com.br

Fonte: http://www.agoravale.com.br

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Aviação: tecnologia prejudica pilotos, acidentes sucedem-se (vídeo)

Estudo da Federal Aviation Administration chegou à conclusão que os computadores nos aviões estão a prejudicar as capacidades dos pilotos para 'conduzirem' as aeronaves em modo manual.

90 segundos depois de descolar os pilotos devem ligar o piloto automático, o qual será desligado apenas 90 segundos antes de aterrar

90 segundos depois de descolar os pilotos devem ligar o piloto automático, o qual será desligado apenas 90 segundos antes de aterrar

Estarão os pilotos de linha aérea a esquecerem-se como se pilota um avião? À medida que as aeronaves vão ficando cada vez mais computorizadas para poderem cruzar céus cada vez mais sobrecarregados, os especialistas em segurança aérea estão preocupados com a proliferação de acidentes provocados por pilotos que perderam os seus instintos.

Centenas de pessoas morreram nos últimos cinco anos em acidentes nos quais os pilotos, muitas vezes sem perceberem, perderam o controlo das aeronaves. Em alguns casos, tomaram decisões erradas, com resultados catastróficos.

Cumprindo os regulamentos que obrigam a recorrer a sistemas computacionais, a indústria aeronáutica está "dependente de automatismos", afirma o comandante Rory Kay, vice-presidente do comité para o ensino da pilotagem na Federal Aviation Administration (FAA). "Sucedem-se os acidentes com aeronaves ultrassofisticadas", lembra.

Três minutos sem piloto automático

Apenas durante três minutos por voo é que os pilotos não recorrem a sistemas automáticos, ou seja, durante a descolagem e a aterragem. Resultado: os pilotos têm poucas oportunidades para treinarem a suas capacidades de pilotagem, alerta Rory Kay.

As companhias aéreas e os autores dos regulamentos desencorajam (e chegam mesmo a proibir) os pilotos a desligarem os pilotos automáticos e a tomarem o destino da aeronave nas suas mãos. Peritos em segurança relatam mesmo alguns casos nos quais os pilotos, confrontados com uma falha dos sistemas computacionais, parecem não saber responder de forma expedita, acabando mesmo por tomar decisões erradas.

Num estudo realizado pela FAA chegou-se à conclusão que os pilotos, por vezes, "passam a responsabilidade para os sistemas automáticos". Omnipresentes nas aeronaves mais modernas, o mau funcionamento de alguns equipamentos ou a introdução errada de um parâmetro num computador, pode provocar uma série de falhas.

video platformvideo managementvideo solutionsvideo player

Números

51
Acidentes ocorridos nos últimos cinco anos em que o avião entrou em queda ou a voar de forma desgovernada. Fonte: The International Air Transport Association

Esquecimento fatal

O estudo realizado pela FAA analisa 46 acidentes, 734 relatórios de pilotos e outros elementos da tripulação bem como informações de 9000 voos, recolhidas por peritos de segurança que observaram os pilotos em ação no cockpit. Conclusão: em mais de 60% dos acidentes, os pilotos tinham dificuldade em voar em modo manual, ou cometiam erros nos sistemas automáticos.

Mas há mais. Com muita frequência os pilotos não se apercebiam que o piloto automático estava desligado. Verificou-se também que alguns pilotos não conseguiam tomar as medidas apropriadas para recuperar uma aeronave que está a perder altitude ou a monitorizar e a manter a velocidade do aparelho.

"Estamos a esquecermo-nos como é que se pilota um avião", remata Rory Kay.

Ler mais: http://aeiou.expresso.pt/aviacao-tecnologia-prejudica-pilotos-acidentes-sucedem-se-video=f671228#ixzz1WjmEoakO

Radar ADS-B ModeSMixer2

METEOROLOGIA