Rotaer Eletrônico

Entre em contato com o Rotor Central.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Na TAAR – 2012 aconteceu isso: O Crocodilo Poti papou tudo!!!!!

O Crocodilo Poti jantou Falcão, Puma, Pantera, Harpia, Gavião.

Este ano foi disputado às seguintes modalidades: navegação à baixa altura e tiro aéreo, além das provas terrestres de tiro de combate, corrida rústica, fuga e evasão (para militares das equipes de resgate e que simula a retirada de um território inimigo) e provas de conhecimento teórico sobre as aeronaves empregadas pela aviação de helicópteros.

Segundo a FAE II, mais do que a disputa entre os esquadrões, o TAAR serve principalmente como meio de integração entre os tripulantes de helicópteros e troca de conhecimento operacional, proporcionando avanço na capacidade dos militares envolvidos.

O torneio aconteceu na Base Aérea de Campo Grande, entre os dias 14 e 19 de junho. Durante as competições, serão colocadas em prática as táticas e técnicas de emprego da Aviação de Asas Rotativas, mediante a realização de provas aéreas e terrestres, todas focadas em condições simuladas de combate. O contexto das provas aéreas permitirá uma observação da condição de emprego em missões de ataque, de resgate em ambientes hostis – Combate-SAR – e de infiltração ou exfiltração de tropas. Nestas competições, os esquadrões realizarão navegações táticas à baixa altura e empregarão os seus armamentos, simulando um ambiente de elevada capacidade de detecção e de ameaça anti-aérea inimiga. Serão, assim, constituídas de dois circuitos de navegação com duas provas de tiro terrestre, uma em estande padrão e outra em alvos táticos.

As competições terrestres visam demonstrar a capacidade de sobrevivência em combate das tripulações, em caso de evasão, bem como a capacidade técnica para abastecer e remuniciar, por meio de Foward Arming and Refueling Point (FARP). Tais provas foram estabelecidas para destacar os aspectos pertinentes ao cumprimento da missão, tais como: determinação, união, coragem, rusticidade, disciplina e conhecimento técnico especializado. Todas as avaliações têm por base os padrões de eficiência estabelecidos pela II FAE.

1º/8º GAV Esquadrão Falcão, sediado na Base Aérea Belém (PA)

2º/8º GAV Esquadrão Poti, sediado na Base Aérea de Porto Velho (RO)

3º/8º GAV Esquadrão Puma, sediado na Base Aérea do Afonsos (RJ)

5º/8º GAV Esquadrão Pantera, sediado na Base Aérea de Santa Maria (RS)

7º/8º GAV Esquadrão Harpia, sediado na Base Aérea de Manaus (AM)

1º/11º GAV Esquadrão Gavião, unidade Aérea onde são formados os pilotos de Asas Rotativas da FAB, com sede na Base Aérea de Natal (RN), subordinado à Primeira Força Aérea (I FAE).

Primeiro lugar agradecer a preciosa colaboração do Poti Louis Martin e a todos que colaboram para a divulgação de nossa força armada brasileira ao Mundo.

Posted in Brasil, Defesa, Fotos do Dia, Sistemas de Armas

Fonte: http://planobrasil.com

terça-feira, 26 de junho de 2012

Ka-32 do Helicargo já está no Brasil

Acompanhe as imagens da chegada da aeronave, montagem e os primeiros testes.


chegada em Cabo Frio (29/05)

chegada ao Helipark (02/06)

instalação da transmissão

voo teste (19/06)


A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) certificou o helicóptero Ka-32 A11BC, de fabricação russa, para a realização de voos no Brasil. A certificação é indispensável para a operação de aeronaves em solo brasileiro. A empresa brasileira responsável pelas operações de voo, a Helipark, identificou um grande potencial no modelo de carga da Russian Helicopters, capaz de transportar até 5 toneladas. A primeira unidade chega ao Brasil em janeiro de 2012.

O presidente da Helipark, João Velloso, explica o otimismo: “O Kamov Ka 32 trará um conceito pouco explorado no país, o de transporte aéreo de cargas pesadas para locais pouco acessíveis. A Heliparkcomprou um primeiro helicóptero, em parceria com a Guindastec, e esperamos que seja o primeiro de vários”. A união da Helipark, principal centro de serviços para helicópteros da América Latina, com aGuindastec, especialista em içamento e movimentação de grandes volumes, resultou na Helicargo, primeira empresa brasileira a explorar o transporte aéreo de cargas pesadas por helicóptero.

Com essa aeronave, a empresa poderá oferecer apoio para sondas e plataformas de exploração petrolífera on shore (costeira) e offshore (alto-mar), construção de oleodutos, gasodutos, linhas de transmissão, usinas hidrelétricas e termelétricas, combate a incêndios, etc. O acordo com a Russian Helicopters envolve a assistência técnica nas instalações da Helipark no Brasil.

As negociações com a holding russa começaram em 2009, e incluem o estabelecimento de um centro de manutenção para o helicóptero dentro das instalações do Helipark e o treinamento das equipes. Para o treinamento, quatro pilotos, dois operadores de equipamentos e quatro mecânicos foram enviados à Rússia em setembro.

Além de garantir maior agilidade e economia no deslocamento de materiais pesados, a Helicargo busca atender às necessidades ambientais de um país em desenvolvimento. Até hoje, o transporte de equipes, infraestrutura e equipamentos até pontos remotos, inacessíveis por rios ou rodovias, depende exclusivamente da abertura de pequenas estradas vicinais, e essas se tornam inevitáveis vetores do desmatamento. O transporte aéreo para esse fim reduz sensivelmente o impacto ambiental na construção de gasodutos, oleodutos e torres de transmissão. A maior parte do potencial hidrelétrico remanescente no Brasil, por exemplo, está na Amazônia, em áreas de difícil acesso e necessidade de cuidados ambientais redobrados.

Agora a grande aposta da Helicargo é o Ka-32 A11BC, um robusto helicóptero multifuncional capaz de transportar 5 toneladas de carga externa e 3,7 toneladas de carga interna, que já opera em mais de 30 países.

Fonte: http://www.helicargo.com.br

Radar ADS-B localizado em Itajaí-Sc alcance raio de 320 Km

Radar ADS-B ModeSMixer2

METEOROLOGIA