Rotaer Eletrônico

Entre em contato com o Rotor Central.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Fãs gastam até R$ 10 mil para ir a Interlagos de helicóptero

Ao contrário da maioria dos torcedores, que buscam meios de transportes mais baratos, há quem prefira o glamour e a comodidade

As formas mais comuns para ir ao Autódromo de Interlagos assistir ao Grande Prêmio do Brasil são de trem, de carro e de táxi. De trem, o fã pode gastar apenas R$2,90. De carro, além da gasolina, há um gasto médio de R$ 50 com estacionamento. Com táxi, partindo do centro de São Paulo, a corrida supera R$ 100. Mas há outra forma de chegar ao circuito, muito mais cara e glamorosa: os helicópteros.
Leia também: Luiz Razia explica como funciona um volante de F1. Veja

E a procura por este meio de transporte não é pequena no fim de semana do GP do Brasil. O caminho pelos ares custa até R$ 10.050 por pessoa. O técnico de segurança de trabalho Sérgio Alcebiades, 50, vai gastar o dobro deste valor. Isso porque ele vai utilizar o serviço para levar a namorada ao GP do Brasil nos treinos de sexta-feira, de sábado e no domingo, dia da corrida.

Foto: Divulgação

Helicópteros usados para levar torcedores ao Autódromo de Interlagos

“É por luxo e por comodidade. De helicóptero eu saio do hotel, não pego trânsito, não tenho problema de estacionamento e desço dentro do autódromo. É bem mais simples”, explica Alcebíades, que utiliza o serviço pelo quarto ano consecutivo.
Siga o iG Automobilismo no Twitter
Assim como o técnico de segurança, outros torcedores devem utilizar o meio de transporte. De acordo com a Força Aérea Brasileira, responsável pela coordenação das operações, são esperados cerca de 60 helicópteros trabalhando diretamente com o evento. Para o dia da corrida a previsão é de 380 pousos e decolagens.
Segurança – De acordo com a FAB, todos os procedimentos de segurança de controle de tráfego aéreo praticados pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) são executados segundo legislações internacionais. Durante o evento, será instalada uma Torre de Controle no autódromo para atuar no controle do tráfego de helicópteros em um raio de 4 km ao redor de Interlagos. Os pousos acontecem no Kartódromo.

Fonte: http://esporte.ig.com.br

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Notícias Go Air - SERIPA IV DISCUTE SEGURANÇA DE VOO POR HELICÓPTERO (22/11)

SEGURANÇA DE VOO NA AVIAÇÃO POR HELICÓPTERO

Go Air - O novo clube do ar é seu

Primeiro Seminário sobre helicópteros organizado pelo SERIPA IV visa disseminar informação com vistas na prevenção de acidentes

O Quarto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos – SERIPA IV realiza no próximo dia 22 de novembro (terça- feira), na Zona Norte de São Paulo, o seu 1º Seminário Asas Rotativas. Voltado aos pilotos de helicóptero, mecânicos, instrutores, escolas de pilotagem, proprietários de aeronaves e empresas relacionadas ao setor, o evento visa contribuir para a segurança de voo no espaço aéreo nacional e tem o apoio da Associação Brasileira dos Pilotos de Helicóptero (Abraphe) e de outros órgãos públicos e privados do segmento de asas rotativas, empenhados no desenvolvimento seguro da aviação por helicóptero no País.

De acordo com o SERIPA IV, o crescimento de 60% na frota de helicópteros do Brasil nos últimos 10 anos - são 1.495 aeronaves registradas até 2010, sendo a maior parte delas (592) em São Paulo – demanda por iniciativas que disseminem informação, promovam a discussão sobre as normas e regulamentações vigentes, bem como o cumprimento delas no sentido de reduzir a probabilidade de acidentes.

A ABRAPHE, que já tem experiência na realização de eventos sobre Segurança de Voo, o último deles, o 7º Seminário Internacional sobre Segurança de Voo, reuniu mais de 600 pessoas em três dias de evento, apoia a iniciativa. “Qualquer ação em prol da segurança de voo é bem vinda”, destaca o presidente da entidade, cmte Rodrigo Duarte, que já trabalha na realização do 8ª Seminário Internacional de Segurança de Voo da Abraphe, previsto para 2012.

Entre os temas que serão abordados durante o 1º Seminário do SERIPA IV sobre Asas Rotativas estão estudos de acidentes aeronáuticos envolvendo helicópteros, meteorologia, tráfego aéreo e emergências em voo. A programação completa está disponível no http://www.flightsafe.com.br/inscricoes/Inscricoes.aspx.

Apoio e Patrocinadores

O 1ª Seminário Asas Rotativas organizado pelo SERIPA IV tem o patrocínio da Agusta Westland, Go Air – Escola de Aviação Civil, JP Martins Aviação Ltda, Helibras, Helicentro, Rolls Royce, Turbomeca e Unisant’Anna e o apoio da Abraphe, Ubatuca Conventions& Visitors Bureau (UV&VB), Infraero, Sistema de Gerenciamento da Segurança Operacional (SGSO) e FlightSafe

SEGURANÇA DE VOO – 1º SEMINÁRIO ASAS ROTATIVAS DO SERIPA IV

Data - 22 de Novembro, das 8 às 19 horas

Local – Centro Universitário Sant’Anna (UniSant’anna)

Av. Voluntários da Pátria, 257, Zona Norte, Santana

Inscrições abertas. Gratuito.

Informações e inscrições - http://www.flightsafe.com.br/inscricoes/Inscricoes.aspx

Vagas Limitadas.at

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA: Lage Comunicações

(11) 2709 8060

Carolina Denardi – (11) 99696761

carolina.lage@lagecomunicacoes.com.br

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

EUA apresentam helicóptero não tripulado

O aparelho, batizado de MQ-8B "Fire Scout", já está a serviço da Marinha americana

O MQ-8B já está a serviço da Marinha / Divulgação

Depois do Predator e do Reaper, um novo aparelho acaba de entrar para o inventário de armas americanas: um helicóptero sem piloto equipado com foguetes que decolará de navios, anunciou a empresa Northrop Grumman.

O aparelho, batizado de MQ-8B "Fire Scout", já está a serviço da Marinha americana, mas no momento está relegado a tarefas de vigilância e reconhecimento.

A Northrop Grumman obteve em setembro um contrato de 17 milhões de dólares do Pentágono para elaborar o aparelho, que pode transportar oito foguetes de 70 mm.

A versão armada do "Fire Scout" estará disponível até março de 2013, anunciou Warren Comer, porta-voz da Northrop Grumman.

Fonte: http://www.band.com.br/noticias

Eurocopter promove seminário sobre helicópteros leves no Brasil

Inovações e apoio ao cliente são os focos do debate que acontece dias 10 e 11 de novembro (quinta e sexta-feira), no Rio de Janeiro.

A Eurocopter, juntamente com a subsidiária brasileira Helibras, única empresa fabricante de helicópteros no país, promove o seminário sobre helicópteros leves nos dias 10 e 11 de novembro (quinta e sexta-feira), no Rio de Janeiro. Focado nas inovações dos produtos mono e biturbinas, o evento é dirigido aos clientes latino-americanos dos mercados executivo, governamental e militar.

Um dos objetivos do seminário é entender as necessidades dos clientes e apoiá-los na operação de seus helicópteros. Durante os dois dias serão realizados workshops e palestras voltados para questões técnicas, treinamento, manutenção e segurança de vôo, dentre outros assuntos que envolvem esse mercado. Os participantes também poderão acompanhar voos de demonstração em modelos biturbinas (EC135 e EC145), que vêm apresentando grande aumento de demanda no Brasil, principalmente no segmento Governamental, que atualmente possui uma frota de 86% de Esquilos.

A frota da Helibras em operação no Brasil é composta em 75% por aeronaves leves, sendo 60% da família Esquilo. O AS350 Esquilo é o modelo de helicóptero leve mais popular no país devido ao seu desempenho e aplicação em qualquer tipo de missão. Único fabricado no Brasil, o Esquilo pode ser adquirido através de financiamento pelo BNDES.

Além dessas vantagens, os clientes contam com total apoio nos serviços de revisão e manutenção, no fornecimento de peças, assistência técnica e treinamento para mecânicos, pilotos e técnicos.

Perfil-A Helibras é a única fabricante brasileira de helicópteros. A empresa é associada ao Grupo Eurocopter, maior fornecedor mundial do setor, controlado pela EADS - European Aeronautic Defence and Space Company. Com participação superior a 50% na frota brasileira de helicópteros a turbina, a Helibras está em atividade no Brasil desde 1978 e mantém instalações em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Sua fábrica, que emprega mais de 560 profissionais e tem capacidade de produção de 36 aeronaves por ano, está localizada na cidade de Itajubá (MG), onde são produzidos diversos modelos que atendem aos segmentos civil, governamental e militar. Desde sua fundação, a Helibras já entregou mais de 550 helicópteros no Brasil, sendo 70% do modelo Esquilo. Em 2010, a empresa teve um faturamento de R$ 395 milhões. [www.helibras.com.br].

Eurocopter e a EADS- Fundado em 1992, o grupo franco-alemão-espanhol Eurocopter é uma divisão do Grupo EADS e emprega aproximadamente 17.500 pessoas. Em 2010, a Eurocopter confirmou sua posição de líder como fabricante mundial de helicópteros no mercado civil e governamental com um volume de negócios de 4,8 bilhões de euros, encomendas de 346 novos helicópteros e uma quota de mercado de 49% nos setores civil e governamental. No geral, os helicópteros do Grupo são responsáveis por 33% da frota total mundial civil e governamental. A forte presença da Eurocopter no mundo inteiro é garantida por suas 30 filiais e participações nos cinco continentes, juntamente com uma densa rede de distribuidores, agentes certificados e centros de manutenção. Há atualmente 11.200 helicópteros Eurocopter em serviço e 2.900 clientes em 147 países. A Eurocopter oferece a maior gama de helicópteros civis e militares no mundo.

O Grupo EADS é líder mundial nos segmentos aeroespacial, de defesa e serviços relacionados. Em 2010, faturou € 45,8 bilhões e empregou cerca de 121 mil pessoas. Além da Eurocopter, o Grupo inclui a Airbus, a Airbus Military, a Astrium e a Cassidian. No Brasil, além da Helibras, a EADS está presente através da EADS Brasil, da EADS Secure Networks Brasil, da Spot Image Brasil, do escritório de representação da Airbus Military e da Equatorial Sistemas, da qual a Astrium é acionista.

Fonte: http://www.revistafator.com.br

Helicóptero elétrico levanta voo com várias hélices; veja vídeo

Engenheiros alemães da empresa e-volo conseguiram um feito interessante: fizeram uma espécie de helicóptero pessoal levantar voo a partir de um conjunto de múltiplas hélices. À primeira vista, a máquina não é bonita e nem mesmo muito segura. Mas a ideia é interessante.

O multicóptero é elétrico e sua sustentação em voo vem do giro de 16 rotores dispostos ao redor do piloto/passageiro. O aparelho e leve e não sobe a grandes altitudes, onde seria facilmente conduzido e desestabilizado pelos ventos.

O piloto usa um tipo joystick para comandar o multicóptero no mesmo princípio dos comandos de direção dos helicópteros. O controle da velocidade de rotação dos motores é feito por computador, que interpreta a necessidade de mais ou menos força para manter o equilíbrio e o voo do aparelho. Ao condutor resta decidir o rumo por onde o voo meio incerto do multicóptero passará.

Apesar de, à primeira vista, o voo do multicóptero parecer tudo, menos seguro, há alguns cuidados interessantes para preservar a integridade do piloto. Por exemplo, a máquina é capaz de se manter no ar e pousar com segurança mesmo com quatro de seus motores parados. E por conta da ausência de um cockpit, o piloto pode facilmente pular em caso de algum risco. Para um passeio de multicóptero, portanto, é bom levar um paraquedas de qualidade.

Embora a “ejeção” seja algo bastante prático, a sensação um tanto desagradável de estar rodeado por inúmeras lâminas girando ao seu redor em altas RPM é algo para qual o protótipo ainda não oferece respostas nem contramedidas de segurança. Apesar das dúvidas e da esquisitice, o vídeo mostrando o primeiro voo do multicóptero não deixa de dar a sensação de que o “voo ao ar livre” deve ser tão delicioso como um passeio de motocicleta. E, vale recordar, o primeiro voo do 14 Bis também não deve ter passado muita confiança.

Veja o multicóptero em ação:

Por causa da leveza e propulsão elétrica, o equipamento tem um custo de produção baixo. Os responsáveis pelo projeto garantem que com apenas US$8 ele pode voar por até uma hora.

Helicóptero com vice-governador do ES e deputados perde porta em voo

Piloto fez um pouso de emergência e seguiu para Vitória sem a porta.
Givaldo Vieira participou em São Gabriel da Palha de uma inauguração.

Porta de helicóptero onde estava vice-governador do ES cai em voo (Foto: Divulgação/Secom)

A porta do helicóptero em que estava o vice-governador do Espírito Santo e alguns deputados se soltou da aeronave e despencou em pleno voo na tarde desta quarta-feira (9), em São Gabriel da Palha, no Norte do estado. O piloto precisou fazer um pouso de emergência e, minutos depois, seguiu viagem para a Capital do Espírito Santo, mesmo sem a proteção da aeronave.

De acordo com a equipe do vice-governador Givaldo Vieira, dentro do helicóptero ainda estavam o piloto e co-piloto, o secretário estadual de agricultura Ênio Bergoli, os deputados Henrique Vargas e Genivaldo Lievori, além de um cerimonialista. Eles voltavam de uma inauguração de um mercado popular de alimentos em São Gabriel da Palha, distante 200 km da capital capixaba.

Após a decolagem, por volta de 17h, a aeronave apresentou um problema, e os ocupantes ouviram um grande barulho. Segundo Givaldo Vieira, o piloto reduziu a velocidade e a porta se desprendeu, caindo em um pasto no município. O piloto ainda pousou o helicóptero e decidiram seguir viagem.

Givaldo Vieira disse que foi um pequeno susto e ninguém ficou apavorado. O vice-governador, o secretário, o cerimonialista, e os deputados foram tranquilizados pelos pilotos que são militares.

O vice-governador afirmou que o governo do estado através do grupamento aéreo, iniciou um procedimento para descobrir o motivo da falha do equipamento. A aeronave seguiu para a manutenção e a fabricante foi notificada para emitir parecer técnico. Uma equipe da Aeronáutica chegou ao estado nesta quinta-feira e fez uma perícia na aeronave. Fabricantes do helicóptero também vieram investigar as causas do acidente.

Fonte: http://g1.globo.com/espirito-santo

Radar ADS-B localizado em Itajaí-Sc alcance raio de 320 Km

Radar ADS-B ModeSMixer2

METEOROLOGIA