Rotaer Eletrônico

Entre em contato com o Rotor Central.

sábado, 22 de janeiro de 2011

Setor de helicópteros aguarda expansão da frota pela Petrobras

Fabricante americana Sikorsky projeta dobrar fornecimento de aeronaves, principalmente de grande porte

André Vieira, enviado especial a Macaé (RJ) | 21/01/2011 05:52

image

S-92, a aeronave de grande porte da Sikorsky: capacidade de voo para vencer a distância até o pré-sal

Representantes do setor de helicópteros estão confiantes no crescimento da frota contratada pela Petrobras para atender o crescimento da demanda gerada pelo pré-sal.

“O Brasil é provavelmente o maior mercado potencial no curto prazo, principalmente na área de apoio às atividades de exploração offshore de petróleo”, diz Marcos de Souza Dantas, diretor-gerente da Powerpack, empresa que representa os negócios da fabricante americana Sikorsky no Brasil. “A expectativa é que haja no mínimo uma duplicação da frota atual, com um foco maior no de grande porte”.

Nos últimos tempos, a Sikorsky vendeu no mercado brasileiro seis aeronaves S-92, helicópteros de grande autonomia e porte que acomodam mais de 18 passageiros. De acordo com Dantas, a Sikorsky tem planos iniciar a expansão de sua presença no país para poder melhor apoiar a crescente frota de helicópteros civis e militares.

Diante da ampliação da demanda, as empresas que operam serviços de helicópteros e possuem contratos com a Petrobras estão se esforçando em ampliar seu quadro de pilotos. A BHS (Brazilian Helicopters Services), uma subsidiária da canadense CHC, a maior operadora de helicópteros do mundo, tem cerca de 60 pilotos e co-pilotos no País, número que deverá chegar a 130 nos próximos anos. “Vamos dar um salto nos próximos três a quatro anos. Mas o que preocupa hoje é a falta de gente especializada”, diz Décio Galvão, diretor-executivo da BHS.

Foto: Fabrizia Granatieri Ampliar

Simulador de voo de helicóptero: investimentos da BHS para capacitar pilotos

Com três bases instaladas em Macaé, Jacarepaguá e Cabo Frio, todas no Estado do Rio, a empresa tem conseguido reforçar seu quadro de pilotos atraindo com profissionais da aviação civil, empresa rivais, das Forças Armadas e ajudando na formação de jovens. Instalou, por exemplo, um simulador de voo, um equipamento avaliado em US$ 300 mil.

A BHS tem trazido instrutores estrangeiros do exterior para dar aulas. No entanto, a legislação permite que os professores estrangeiros fiquem apenas três meses, e o custo de manter um instrutor é considerado alto pela empresa. “Cada um custa US$ 30 mil a US$ 40 mil por mês”, diz Galvão. Para tentar reduzir os custos, a empresa estuda fechar parceria para criação de uma escola de professores de pilotagem de helicópteros com outras operadoras de serviços aéreos a fim de capacitar os pilotos que atenderão a demanda do pré-sal.

0 comentários:

Postar um comentário

Radar ADS-B localizado em Itajaí-Sc alcance raio de 320 Km

Radar ADS-B ModeSMixer2

METEOROLOGIA